Últimas Publicações:

10/09/2021 - Educação Infantil

Baú de ideias ̵...

Olá, professor (a)! Como você está? As crianças pequenas gostam de criar brinquedos, inventar brincadeiras e colocar todo seu potencial criativo em ação. É assim aí com a sua turma também? Caixas de papelão de ...

10/09/2021 - Educação Infantil

Baú de ideias – “Acerte o buraco”

Olá, professor (a)!

Como você está?

As crianças pequenas gostam de criar brinquedos, inventar brincadeiras e colocar todo seu potencial criativo em ação. É assim aí com a sua turma também? Caixas de papelão de diferentes tamanhos são materiais não estruturados bastante apreciados por elas, pois uma caixa pode ser tudo que elas quiserem e tudo que a imaginação permitir! Tais criações, além de possibilitarem diversão, simultaneamente permitem ricos momentos de descobertas e aprendizagens.

Pensando nisso, nossa dica de hoje é brincar de “Acerte o buraco”, confeccionando um brinquedo com materiais que muitas vezes temos em casa ou que podem ser facilmente encontrados.

Para a confecção, você vai precisar de:

– uma tampa de caixa de papelão ou a base de uma caixa cortada (preferencialmente de tamanho grande, como aquelas de caixa de papel ofício ou maior);

– tesoura e/ou estilete (para uso do adulto);

– bolinhas plásticas como aquelas de piscina de bolinhas (ou outras confeccionadas até com jornal, envolvidas com fita adesiva);

– tinta, se desejarem colorir ou durex colorido, pois dá também para brincar com pontuação: é só definir a quantidade de pontos para cada cor.

Assista ao vídeo aqui:

https://br.pinterest.com/pin/511862313902736574/

Corte círculos um pouco maiores do que a bolinha, para permitir sua passagem pelo buraco. Porém não tão grandes para que tenha uma dose de desafio para as crianças!

Como brincar:

Uma ideia é a criança tentar acertar a bolinha vermelha no buraco vermelho e assim sucessivamente. É um desafio! Você já tentou fazer? Parece fácil, mas requer uma boa coordenação motora, equilíbrio e paciência, pois às vezes demoramos para conseguir derrubar a bolinha…

Outra ideia é combinar uma pontuação para cada cor de bolinha ou buraco e marcar os pontos, para depois somar e questionar: Quem fez mais pontos? Quantos pontos a mais? É possível também fazer a somatória de pontos por grupo.

Divirtam-se!

Um abraço da Equipe de Assessoria da Educação Infantil Aprende Brasil

Se desejar falar conosco, envie e-mail para: edinfantil@aprendebrasil.com

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

01/09/2021 - Educação Infantil

Bebês e CIA: “...

Olá, professor (a)! Como você está? Os bebês e as crianças bem pequenas apreciam explorar brinquedos e objetos com cores e que possibilitam movimento. Além da diversão garantida, simultaneamente acontecem momentos...

01/09/2021 - Educação Infantil

Bebês e CIA: “Fundo do mar”

Olá, professor (a)!

Como você está?

Os bebês e as crianças bem pequenas apreciam explorar brinquedos e objetos com cores e que possibilitam movimento. Além da diversão garantida, simultaneamente acontecem momentos de descobertas, criações e aprendizagens.

Aqui no blog da Assessoria da Educação Infantil ressaltamos sempre a importância dos brinquedos que podem ser confeccionados com a participação dos pequenos, usando diferentes materiais e também propomos ideias de atividades lúdicas com utilização de materiais não estruturados.

Hoje a dica é brincar de “Fundo do mar”, confeccionando um brinquedo com materiais que muitas vezes temos em casa ou que encontramos facilmente.

Para brincar de “Fundo do mar”, você vai precisar de:

– garrafão de água de 5 litros (de plástico, descartável);

– balões coloridos de tamanho pequeno;

– caneta de CD ou canetinha resistente à agua;

– anilina, corante, glitter (opcional).

Encha os pequenos balões coloridos, desenhe o rosto e as nadadeiras dos peixes e coloque-os dentro do garrafão, que deve estar cheio de água. Se desejar, pode colocar anilina, corante azul e/ou glitter. Veja como fazer e o resultado:

Vídeo explicativo aqui:

https://br.pinterest.com/pin/291959988353901148/

Os pequenos podem auxiliar a colocar a água e os peixes no garrafão e vão se divertir com os movimentos e com as cores. Podem, inclusive, cantar e criar histórias junto com os adultos! Que tal?

Faz aí e conta para a gente aqui nos comentários como foi a confecção e a brincadeira! 😉 Vamos gostar de saber!

Divirtam-se!

Um abraço da Equipe de Assessoria da Educação Infantil Aprende Brasil

Se desejar falar conosco, envie e-mail para: edinfantil@aprendebrasil.com

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

05/08/2021 - Educação Infantil

BEBÊS E CIA –...

Olá professor (a)! Desde que nasce, o bebê vê o mundo em cores. Tudo o que compramos é de cor. Ainda que veja tudo colorido, somente a partir do primeiro ano é que o bebê começa a fazer várias descobertas. O fato...

05/08/2021 - Educação Infantil

BEBÊS E CIA – BRINCAR COM BEBÊS E CRIANÇAS BEM PEQUENAS

Olá professor (a)!

Desde que nasce, o bebê vê o mundo em cores. Tudo o que compramos é de cor. Ainda que veja tudo colorido, somente a partir do primeiro ano é que o bebê começa a fazer várias descobertas. O fato de começar a andar o torna autônomo para explorar o mundo. Seus brinquedos de pegar, os jogos de empilhar e encaixar objetos tem cores fortes que chamam sua atenção. No entanto, ainda não é capaz de identificar cores.

A partir dos 18 meses a criança já começa a absorver melhor o conceito de cores. Convém, portanto, que se trabalhe as cores primárias (amarelo, azul e vermelho), especialmente. Até os 24 meses a criança se torna capaz de associar as cores, classificando-as e fazendo correspondência entre objetos da mesma cor. No entanto, será apenas passado os dois anos que a criança conseguirá, de fato, parear as cores, ou seja, diante de uma gama de objetos distintos, conseguirá classificá-los por sua cor corretamente.

Os jogos educativos são grandes aliados na hora de ensinar as cores às crianças e podem ser feitos com material simples e de fácil acesso. O ingrediente básico é a criatividade para ofertar às crianças uma gama de possibilidades de reforçar o conhecimento das cores.

Que tal um jogo divertido?

Cada cor no seu lugar!

Material:

1 caixa plástica de divisória

Papel coloridos: vermelho, amarelo e azul

Pompons pequenos ou bolinhas de massinha de modelar: vermelho, amarelo e azul

Como fazer:

  • Recorte quadrados coloridos e coloque no fundo da caixa plástica de divisória para referência a criança.
  • Disponibilize no centro da roda de conversa a caixa e os pompons ou bolinhas de massinha em um prato.
  • Explique as crianças que cada bolinha deverá ser guardada em seu lugar na cor correspondente. Faça uma vez para ela ver e deixe que as crianças explorem o jogo.

 

 

 

 

 

 

E aí, professor, o que achou dessa nossa sugestão?

E você, como trabalharia cores com seus alunos? Comente e compartilhe com a gente.

 

Forte abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria Educação Infantil

Se desejar falar conosco, envie e-mail para: edinfantil@aprendebrasil.com

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

05/08/2021 - Educação Infantil

BAÚ DE IDEIAS – B...

Olá professor (a)! Na educação infantil, o trabalho com o número na maioria das escolas infantis trabalha basicamente no reconhecimento dos algarismos e escritas do mesmo; muitos educadores esquecem da importância d...

05/08/2021 - Educação Infantil

BAÚ DE IDEIAS – BRINCAR COM CRIANÇAS PEQUENAS

Olá professor (a)!

Na educação infantil, o trabalho com o número na maioria das escolas infantis trabalha basicamente no reconhecimento dos algarismos e escritas do mesmo; muitos educadores esquecem da importância da exploração da variedade de ideias matemáticas existentes, referentes a classificação e seriação. Toda criança passa por descobertas, ela precisa mexer, experimentar, tocar, explorar, vivenciar para poder assim conhecer o novo. Necessita do concreto através de materiais manipuláveis para poder organizar seus conhecimentos, o qual é adquirido naturalmente através do contato com outras pessoas, das interações com o grupo de amigos. Ou seja, é uma construção resultante das ações da criança com o mundo, e pode ocorrer através de jogos, brincadeiras, literatura, entre outros.

Através da atividade lúdica a criança constrói símbolos. Elas devem ter a oportunidade de construir as relações matemáticas em vez de simplesmente entrar em contato com o pensamento pronto, devem formular suas hipóteses a partir de ensaio e erro.

Por falar em lúdico, que tal propor uma atividade para as crianças?

Contando com os dedos

Material:

  • 1 luva de plástico transparente
  • 15 pompons de uma única cor
  • Durex
  • Caneta preta ou azul permanente

Desenvolvimento:

Essa atividade tem como objetivo, que a criança agrupe a quantidade de pompons em cada um dos dedos da luva. Para isso, enumere cada um dos dedos. Depois coloque dentro da luva 15 pompons da mesma cor, feche com durex a luva; aqui se deseja que a criança relacione os números e suas quantidades. Cores diferentes podem acabar induzindo a criança ao erro. É uma proposta sensorial, permitindo que a criança mova os pompons dentro da luva a fim de conseguir agrupar as quantidades.

Dica: você pode fazer duas luvas para trabalhar de 1 a 10 com as crianças maiores.

 

 

 

 

 

 

E aí, professor, o que achou dessa nossa sugestão?

E você, como trabalha números e quantidades com seus alunos? Comente e compartilhe com a gente.

 

Forte abraço e até o próximo post!
Equipe Assessoria Educação Infantil
Se desejar falar conosco, envie e-mail para: edinfantil@aprendebrasil.com
Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

30/06/2021 - Arte

ABORDAGEM TRIANGULAR

Olá professora, olá professor! ♥ Que bom tê-los conosco mais uma vez!   Que bom tê-los conosco mais uma vez! Quando falamos no Ensino de Arte no Brasil, o nome mais importante que nos vem a cabeça é a Ana M...

30/06/2021 - Arte

ABORDAGEM TRIANGULAR

Olá professora, olá professor! ♥
Que bom tê-los conosco mais uma vez!

 

Que bom tê-los conosco mais uma vez!

Quando falamos no Ensino de Arte no Brasil, o nome mais importante que nos vem a cabeça é a Ana Mae Barbosa.

E nos post de hoje vamos trazer um pouco mais de informações sobre essa pesquisadora e também sobra a ABORDAGEM TRIANGULAR.

“Ana Mae nasceu no Rio de Janeiro, mas ainda pequena foi morar em Recife. Perdeu o pai com três anos e a mãe com seis, sendo criada pela avó materna. Fez graduação em direito, contra a vontade da avó. Precisava trabalhar e por isso foi fazer um curso com o Paulo Freire para prestar um concurso de professora primária.”

Desde muito nova, Ana Mae viu na Arte um potencial gerador de uma nova sociedade, e com isso buscou estudar os processos da Arte-educação.

Preocupada com os modelos e metodologias do Ensino da Arte, Ana Mae elaborou a Abordagem Triangular. Ela mesma diz que não gosta de chamar sua abordagem nem de proposta nem de metodologia, para que não haja uma regra de aplicação. Muitas pessoas que estudaram a ABORDAGEM TRIANGULAR acabaram considerando como uma receita de bolo e aplicando em suas salas de aula, sem refletir sobre aquilo.

O surgimento da abordagem triangular objetivava a  melhoria do ensino da arte, na busca pelo entendimento da mesma e também uma buscava uma mais aprendizagem significativa. Preocupou-se pela busca de um conhecimento critico não somente para os aluno, mas também para os professores. Nos anos 90 a abordagem Triangular passou a ser colocada em prática. Inicialmente foi chamada de Projeto Arte na escola.  Mais tarde, ficou conhecida como  Triangular e/ou Abordagem Triangular. Entre essas duas nomenclaturas foi escolhido o nome de Abordagem Triangular (Barbosa, 2010, p.11).

Fica evidente portanto, que  a abordagem Triangular não se enquadra para quem quer seguir um método padronizado, ele  requer a  liberdade de obter conhecimento critico  reflexível  no processo de ensino […], ajustando-se ao contexto em que se encontra (Machado, 20010, p.79).

A Abordagem Triangular é uma abordagem diálogica. A imagem do Triângulo abre caminhos para o professor na sua prática docente. Ele pode fazer suas escolhas metodológicas,  é permitido mudanças e adequações, não é um  modelo fechado, que não aceita alterações. Não é necessário seguir um passo a passo. Para Barbosa ” (…)  refere-se à uma abordagem eclética. Requer transformações enfatizando o contexto” (Barbosa, 2010, p. 10).

Essa visão mudou o Ensino de Arte e também o papel da Arte dentro da escola.

Quer saber mais sobre a abordagem?

Assista ao vídeo que explico esses conceitos! (clique na imagem para assistir)

Gostou? Ficou com dúvidas ou tem sugestões?

Deixe aqui nos comentários!!!

ATÉ A PRÓXIMA, TCHAU! =)

Rafael Pawlina

Assessor de Arte

 

Siga nossas redes socias:@aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

23/04/2021 - Educação Infantil

Bebês e Cia – A c...

Olá, Professores! Desejamos que todos estejam bem! Hoje, falaremos um pouquinho sobre criatividade, que é uma das habilidades mais importantes  para desenvolver uma atividade produtiva, tanto para nós professores, q...

23/04/2021 - Educação Infantil

Bebês e Cia – A criatividade dos bebês e das crianças bem pequenas

Olá, Professores!

Desejamos que todos estejam bem!

Hoje, falaremos um pouquinho sobre criatividade, que é uma das habilidades mais importantes  para desenvolver uma atividade produtiva, tanto para nós professores, quanto para os bebês e crianças bem pequenas. Ser criativo é uma característica que faz a diferença e traz mais oportunidades e possibilidades de conhecimento e aprendizado.

Segundo Sir Ken Robinson, criatividade é um processo de ter ideias originais que tenham valor.

Processo e não uma ideia que veio do além; originais porque são únicos, autênticos, não são copiados e nem reproduzidos se tiverem algum valor.

Todos nascemos com um grande potencial criativo, apenas precisamos desenvolver a criatividade.

E isso inicia-se com os bebês e crianças bem pequenas, quando precisam descobrir como ser, estar e sobreviver no meio onde estão inseridos, ou seja, no mundo que os cercam. E a infância é o momento ideal onde os professores podem contribuir por meio de atitudes, atividades simples e poderosas a estimular o pensamento criativo dentro do desenvolvimento natural das crianças.

No primeiro ano, pode-se dizer que os bebês são cientistas. E o cientista nasceu para explorar, ele é um grande explorador.

Os bebês nasceram para serem cientistas e o grande trabalho deles é criar teorias e hipóteses sobre como o mundo funciona a partir dos sentidos que eles possuem e que se desenvolverão ainda mais a cada dia. Dessa forma, para termos crianças criativas precisamos estimular os seus sentidos e realizar atividades sensoriais. Elas compreendem e conhecem o mundo pelo olhar, pelo tato, pelo cheiro, pelo paladar e é necessário estimular as brincadeiras sensoriais para poder aumentar a coleção de experiências táteis, visuais, auditivas e olfativas para que consiga ampliar o seu repertório.

Para isso, seguem algumas sugestões bacanas para esse trabalho fantástico com os bebês.

  1. Contato com a natureza

Veja que legal, você não precisa ter habilidades específicas e nem comprar materiais para fazer. Basta sair com as crianças para explorar o ar livre. O sol, o vento, as flores, os sons, a areia, tudo será novidade para elas onde poderão sentir, ouvir, tocar, experimentar.

 

 

 

 

 

 

2. Caixa com fitas

Amarrar fitas, de preferência com texturas diferentes, numa caixa e deixar a criança brincar, tocar, experimentar e descobrir.  Aproveite para falar sobre as cores.

 

 

 

 

 

3.Texturas para engatinhar

Uma forma de incentivar o bebê a engatinhar e ao mesmo tempo descobrir novas sensações é fazer um percurso com diferentes texturas para ela atravessar. Toalha, cobertor, edredon, lençol, enfim você poderá  escolher o que estiver disponível, colocar sobre uma superfície segura e deixar a criança explorar o material, sentindo as texturas.

 

 

 

 

Passando o período do bebê, essa criança passa de cientista para exploradora que é a fase das crianças bem pequenas, de 1 aos 3 anos de idade. Com essa idade já conseguem se locomover pela casa, começam a explorar os espaços, já dominam um pouco mais o seu corpo, estabelecem uma relação com os objetos e já sabem que possuem uma determinada função, como por exemplo: já conseguem saber que a bola serve para  jogar, o copo para beber e o livro para manusear.

E o que fazer para incentivar a criatividade da criança bem pequena que é exploradora?

É muito bacana oferecer os objetos da casa:  o sofá por exemplo, vira uma cabana, brincadeiras com almofadas, com panelas, colheres de pau, potes e tampas. Brincar com a criança sem impor a brincadeira e sim deixa-la liderar a brincadeira, dando-lhe autonomia para as tomadas de decisões e para buscar as soluções.

  1. Brincadeira com almofadas:

Que tal fazer um circuito feito com almofadas? É excelente para estimular a coordenação motora grossa das crianças. Dá para fazer um caminho entre um móvel e o outro, por exemplo. No início, é importante a criança ter onde se apoiar. Quando o caminho estiver pronto é só chamar a criança para brincar e depois, observar as estratégias que ela usa para atravessar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2. Brincando com potes de cozinha

A proposta é fazer a criança encontrar as tampas certas para cada pote. Você começa separando potes de plástico de diferentes tamanhos e formatos e coloca-os no chão, dispondo os potes de um lado e as tampas do outro.

Em seguida você chama a criança e explica o “Jogo dos Potes”, falando inicialmente para a criança que terá que encontrar a tampa certa para cada pote.

É muito legal observar que a criança logo estabelecerá um padrão de escolher uma tampa, olhar para os potes e ir direto no certo. Conceitos como grande e pequeno e formas geométricas são trabalhados o tempo todo em atividades como esta, além das descobertas que faz quando, ao explorar, percebe, por exemplo, que vários potes cabem um dentro do outro, quando começam a comparar as tampas umas com as outras ou até mesmo quando constroem torres e castelos com esses materiais.

 

 

 

 

 

Mas não esqueçam que o fundamental sempre e em qualquer faixa etária é conversar com a criança, olhar para o que a criança olha, compartilhar o olhar com ela, esticar a conversa, fazer perguntas como:  o quê? Como? Cadê? O que é isso? Porque e como fez isso?

E vários outros questionamentos que certamente promoverão a descoberta, a aprendizagem, estimularão a criatividade e auxiliarão a desenvolver a linguagem oral da criança.

 

Deixe seu comentário e compartilhe conosco como é a experiência de trabalhar com os bebês cientistas e as crianças exploradoras.

 

Sempre que precisarem, entrem em contato conosco!

Grande abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria Educação Infantil Aprende Brasil

edinfantil@aprendebrasil.com.br

 

REFERÊNCIAS:

Robinson, Ken. Somos todos criativos: os desafios para desenvolver uma das principais habilidades do futuro. São Paulo: Benvirá, 2019

https://www.tempojunto.com/2014/12/29/melhores-atividades-de-descoberta-sensorial/ Acesso em 16/04/2021

https://www.tempojunto.com/2015/10/22/com-usar-almofadas-para-estimular-a-coordenacao-motora-dos-pequenos/#:~:text=Hoje%20vou%20falar%20de%20mais,coordena%C3%A7%C3%A3o%20motora%20grossa%20dos%20beb%C3%AAs. Acesso em 16/04/2021

https://www.tempojunto.com/2016/07/19/como-brincar-com-potes-da-cozinha/ Acesso em 16/04/2021

 

 

Deixe o seu comentário!