Últimas Publicações:

10/05/2021 - Ensino Religioso

Plano de Aula: Texto...

    Palavras-chave: Sugestão de planejamento; Crenças religiosas e filosofas de vida; Tradição escrita.   Série/Ano: 6º. ano Olá! No post de hoje vamos compartilhar uma sugestão de aula de Ensino ...

10/05/2021 - Ensino Religioso

Plano de Aula: Textos e Narrativas Sagradas

 

 

Palavras-chave:

Sugestão de planejamento; Crenças religiosas e filosofas de vida; Tradição escrita.

 

Série/Ano:

6º. ano


Olá!

No post de hoje vamos compartilhar uma sugestão de aula de Ensino Religioso. Veja:

 

UNIDADE TEMÁTICA:

Crenças religiosas e filosofas de vida

 

OBJETOS DO CONHECIMENTO:

Tradição escrita: registro dos ensinamentos sagrados

 

COMPETÊNCIA GERAL DA BNCC EXPLORADA:

Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

 

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DE ENSINO RELIGOSO:

Compreender, valorizar e respeitar as manifestações religiosas e filosofias de vida, suas experiências e saberes, em diferentes tempos, espaços e territórios.

Conviver com a diversidade de crenças, pensamentos, convicções, modos de ser e viver.

 

HABILIDADE ESPECÍFICA DE ÁREA:

(EF06ER01) Reconhecer o papel da tradição escrita na preservação de memórias, acontecimentos e ensinamentos religiosos.

(EF06ER01) Reconhecer o papel da tradição escrita na preservação de memórias, acontecimentos e ensinamentos religiosos.

(EF06ER02) Reconhecer e valorizar a diversidade de textos religiosos escritos (textos do Budismo, Cristianismo, Espiritismo, Hinduísmo, Islamismo, Judaísmo, entre outros).

 

ENCAMINHAMENTO:

 

  1. A sugestão é propor uma pesquisa sobre como os livros sagrados são fabricados nos dias de hoje.
  2. O professor pode propor que os alunos façam essa investigação e marcar a data de entrega/apresentação.
  3. Na mesma aula o professor delimita que o resultado do trabalho dos alunos foca o presente e aproveitar para falar sobre a origem destes livros, e porque são chamados de sagrados.

 

Um disparador/motivador para essa pesquisa pode ser o vídeo Como se faz a bíblia, para assistir clique na imagem abaixo:

 

 

 

Gostou da dica? Compartilhe suas experiências nos comentários.

Equipe Assessoria de Ensino Religioso

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram @aprendebrasil / YouTube: Sistema Aprende Brasil

 

Referências:
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em: maio, 2018.

Deixe o seu comentário!

10/05/2021 - Educação Física, Ensino Religioso, História

Os negros são racistas?

 

Palavras-chave:

Racismo; Educação antirracista.

 


 

Olá Professores

 

Vocês já ouviram ou disseram a frase que dá título a este post? Você concorda com ela? É muito comum ouvirmos frases como essa ao falamos sobre racismo. Mas, antes de concordar ou não com ela, que tal uma reflexão?

Vamos começar lembrando a influência das teorias racialistas do século XIX, que disseminaram “no tecido social brasileiro, o ideal da superioridade da raça branca e incentivou de forma contundente o negro a resignar-se diante de sua inferioridade” (ALVES, 2018, p. 75). A partir destes ideais a sociedade brasileira passa a ser idealizada pelo branqueamento, e a miscigenação se torna uma ferramenta para alcançá-lo, ou seja, se difunde a ideia de que quanto mais branca a sociedade maiores serão as chances de “evolução” e “civilização” dela.

 

Leia sobre teorias racialistas no artigo “Teorias raciais no Brasil: um pouco de história e historiografia”, escrito por Diego Uchoa de Amorim, clicando aqui.

 

Portanto, o ideal e desejado é ser branco ou parecer o quanto for possível com pessoas brancas, de acordo com Jacques d’Adesky, “Desejos de ser (branco), desejos de não ser (negro), desejos de aparentar (branco). E, na medida em que esses desejos representam valores (poder, beleza), eles manifestam uma relação hierarquizada entre um elemento (branco) do conjunto e as outras categorias (negro, jambo, sarará, etc.) desse mesmo conjunto” (d’ADESKY, 2001, p. 137).

 

Você sabia que o tema teorias raciais do século XIX são conteúdo das aulas de História, para o 8º ano, veja possibilidades para abordar essa temática lendo o artigo “Plano de aula: As teorias raciais do século XIX e o racismo na sociedade atual”, publicado pelo site Nova Escola, clicando aqui.

 

Por consequência “o que ocorre é que, em vez de fazer referência a si próprios como negros, afro-brasileiros ou afrodescendentes, a tendência manifestada pelas pessoas é a de tentar retratar a si próprios com diferentes tonalidades de pele, usando tonalidades mais claras, o que sugeriria o embranquecimento. O processo de negação da sua origem étnica é aceito pela sociedade e certas tonalidades de cor pele (mais claras) estão associadas a status dentro da sociedade brasileira” (d’ADESKY, 2001, p. 137).

 

Veja o que dizem outros pesquisadores das relações étnico-raciais. Vejamos o Kabengele Munanga* argumenta:

 

Para baixar a imagem em PDF basta clicar aqui.

 

Outra importante voz sobre o assunto é Nilma Lino Gomes**:

 

Para baixar a imagem em PDF basta clicar aqui.

 

 

Para a pesquisadora Jerusa Paulino da Silva, o processo de rejeição de si inicia muito cedo “as crianças negras, ainda na educação infantil, iniciam o processo de autorrejeição do seu fenótipo enquanto as crianças brancas ou assemelhadas à branca iniciam o processo de rejeição do outro diferente da internalização de estereótipos inferiorizantes”. (SILVA, 2010 apud ALVES, 2018, p. 75).

Muitas são as ferramentas de domínio que garantem a manutenção deste ideal, mesmo nos dias de hoje, quando tanto já se avançou da representatividade negra. Muitas vezes, a própria linguagem garante sua perpetuação, de modo aparentemente “invisível”. Como é o caso da frase: “Os próprios negros são racistas”.

Como já dissemos no post “Racismo: ainda precisamos falar sobre isso?”, nós aprendemos a ser racistas, deste de muito pequenos somos inseridos nestas ideias. Assim como aprendemos a ser racistas, podemos desaprender, para isso é preciso inicialmente questionar a forma como nossa sociedade está estruturada, buscar entender que as identidades raciais são aprendidas, elas são resultado do modo como escolhemos viver, agir no mundo, pensar sobre ele [1].

Portanto, para promover uma educação antirracista é preciso reconhecer que o racismo existe em todas as esferas sociais, e também na escola.

Entendo a importância dessa temática, a Assessoria de Áreas, do Sistema de Ensino Aprende Brasil, desenvolverá, ao longo dos próximos meses, cursos, debates, leituras e propostas de ações que tem como objetivo principal propiciar ampliação na formação dos professores da Educação Básica sobre a Educação das Relações Étnico-Raciais.

 

 

Fique atento em breve vamos compartilhar a programação completa do evento, assim como continuaremos escrevendo diversos posts para aprofundar nosso debate.

 

 

Equipe Assessoria de Educação Física, Ensino Religioso e História

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram @aprendebrasil / YouTube: Sistema Aprende Brasil

 


 

Referências:
ALVES, Samanta dos Santos. Letramento racial crítico e práticas educacionais no ensino fundamental do município do Rio de Janeiro: a formação continuada de professores da sala de leitura e suas narrativas. 2018. 160f. Dissertação (Mestrado) Centro de Federal de Formação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, 2018. Disponível em: <http://dippg.cefet-rj.br/pprer/attachments/article/81/104_Samanta%20dos%20Santos%20Alves.pdf>. Acesso em: 05 de maio de 2021.
D’ADESKY, Jacques. Pluralismo étnico e multiculturalismo: racismos e anti-racismos no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.
GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação Anti-racista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03. Brasília, MEC, Secretaria de educação continuada e alfabetização e diversidade, 2005. p. 39 – 62. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2017/03/Alguns-termos-e-conceitos-presentes-no-debate-sobre-Rela%C3%A7%C3%B5es-Raciais-no-Brasil-uma-breve-discuss%C3%A3o.pdf>. Acesso em: 05 de maio de 2021.
* Kabengele Munanga é um antropólogo e professor brasileiro-congolês. É especialista em antropologia da população afro-brasileira, atentando-se a questão do racismo na sociedade brasileira. Kabengele é graduado pela Université Oficielle du Congo e doutor em Antropologia pela Universidade de São Paulo.
** Nilma Lino Gomes é uma pedagoga brasileira. Tornou-se a primeira mulher negra do Brasil a comandar uma universidade pública federal, ao ser nomeada reitora da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, em 2013. Tem se posicionado, frequentemente, na luta contra o racismo no Brasil.
[1] SCHUCMAN, Lia Vainer. Sobre o lugar do branco na luta anti-racista. Publicado em: 25/09/2018. Disponível em: <https://catarinas.info/colunas/sobre-o-lugar-do-branco-na-luta-anti-racista/>. Acesso em: 05 de maio de 2021.

Deixe o seu comentário!

10/05/2021 - Matemática

Jogos Matemáticos

Como trabalhar com jogos de forma significativa? As coleções de Matemática do Sistema de Ensino Aprende Brasil apresentam seções que demandam o trabalho com jogos matemáticos, sendo elas: Mas, como explorar cada mo...

10/05/2021 - Matemática

Jogos Matemáticos

Como trabalhar com jogos de forma significativa?

As coleções de Matemática do Sistema de Ensino Aprende Brasil apresentam seções que demandam o trabalho com jogos matemáticos, sendo elas:

Mas, como explorar cada momento vivenciado pelos estudantes no jogo?

A autora Regina Célia Grando elenca alguns Momentos do Jogo para explorar com os estudantes:

1°) Familiarização com o material do jogo;
2°) Reconhecimento das regras;
3°) O “Jogo pelo jogo”: jogar para garantir regras;
4°) Intervenção pedagógica verbal;
5°) Registro do jogo;
6°) Intervenção escrita;
7°) Jogar com “competência”.

Qual é a importância de cada um destes momentos no trabalho com jogos? Gostaria de saber mais sobre este assunto? Acesse o trabalho da autora Regina Célia Grando, clicando AQUI.

Fique ligado! Na próxima semana teremos novas publicações!

Até breve!

Deixe o seu comentário!

06/05/2021 - Língua Portuguesa

Entrevista: exploran...

Olá, professor(a). Tudo bem por aí? Dia primeiro de maio, comemoramos o feriado do dia do trabalho. Inspiradas por essa celebração nacional, hoje, vamos propor uma prática para explorar o tema das profissões. Inici...

06/05/2021 - Língua Portuguesa

Entrevista: explorando os gêneros textuais

Olá, professor(a).
Tudo bem por aí?

Dia primeiro de maio, comemoramos o feriado do dia do trabalho.

Inspiradas por essa celebração nacional, hoje, vamos propor uma prática para explorar o tema das profissões.

Inicie a aula conversando com seus alunos sobre as expectativas que eles têm em relação ao futuro. Embora ainda seja um pouco cedo para traçar suas trajetórias profissionais, é importante discutir possibilidades, buscando as relações de afinidade com certas atividades e descobrindo interesses por determinados temas, áreas ou práticas relacionadas às diferentes esferas de atuação.

Escolha algumas imagens de diferentes profissionais em seus contextos de trabalho e crie alguns pontos de discussão sobre isso, englobando aspectos como: interesses, gostos, afinidades, medos, inseguranças etc.

Depois, solicite aos seus alunos que escolham alguém (pode ser um familiar) para contar um pouco sobre a sua profissão e a dinâmica do trabalho que ele/ela realiza. Você pode sugerir algumas questões norteadoras como: processo seletivo; entrevista; atividades desempenhadas diariamente; responsabilidades; carga-horária; satisfação; preocupações etc.

Essa prática pode ser usada para trabalhar a produção escrita dos relatos ou, se preferir, pode ser uma prática para o desenvolvimento da oralidade, nesse caso os alunos podem contar a experiência do entrevistado para a turma.

Outra sugestão é propor a elaboração de um vídeo, podcast ou gravação de áudio do relato feito por esse profissional.

Depois das apresentações, faça um quadro com as profissões dos entrevistados e solicite aos alunos que pesquisem alguns gêneros textuais que circulam nessas diferentes esferas. Podem ser gêneros orais ou escritos, formais ou informais. O objetivo é observar a relevância dos textos nos diferentes contextos do trabalho e nas interações específicas realizadas por esses profissionais.

Lembre-se: você sempre pode relacionar as sugestões de atividades com textos aos conteúdos (objetos de conhecimento) que você está trabalhando com seus alunos. Amplie essa sugestão!

Essa foi a dica de hoje!

Até breve!

Assessoria de Língua Portuguesa

linguaportuguesa@aprendebrasil.com.br

Deixe o seu comentário!

06/05/2021 - Matemática

Dia Nacional da Mate...

Olá, professores! Você sabia que hoje é um dia muito especial? SIM! Hoje é comemorado o Dia Nacional da Matemática, em homenagem, escritor, matemático e educador brasileiro Júlio César de Mello e Souza (Malba Tah...

06/05/2021 - Matemática

Dia Nacional da Matemática

Olá, professores!

Você sabia que hoje é um dia muito especial?

SIM! Hoje é comemorado o Dia Nacional da Matemática, em homenagem, escritor, matemático e educador brasileiro Júlio César de Mello e Souza (Malba Tahan).

Júlio César de Mello e Souza nasceu em 6 de maio de 1895, no Rio de Janeiro. Aos 18 anos iniciou sua carreira de professor, pouco tempo depois, formou-se em Engenharia Civil, porém nunca exerceu esta profissão. Seus grandes marcos foram como professor de matemática e escritor.

Como professor, criava novas técnicas de ensino, como jogos, atividades lúdicas e desafios, tudo isso para facilitar o aprendizado de seus alunos e gerar mais interesse dos estudantes na disciplina.

Julio César era um apaixonado pela matemática e pela cultura árabe, o que aparece como pano de fundo de muitos de seus livros. Até mesmo o pseudônimo Malba Tahan, que adotou para a publicação de seus textos, possui forte ligação a esta cultura.

Com o pseudônimo de Malba Tahan, Júlio escreveu mais de 120 livros, dos quais 50 deles dedicados à matemática. Esse educador faleceu em Recife, no dia 18 de junho de 1974, aos 79 anos, mas seu legado permanece até hoje.
Em 2013, o governo do Brasil instituiu, em sua homenagem, o Dia Nacional da Matemática, na data de seu nascimento.

Fique ligado! Na próxima semana teremos mais publicações.

Até breve!

Referências:

D’AMBROSIO, U. Dia Nacional da Matemática. Disponível em: <http://www.sbembrasil.org.br/files/diamatematica.pdf>. Acesso em 06 de mai. De 2021.

MICHAEL, J. Dia Nacional da Matemática: conheça a história por trás da data. Disponível em: <https://www.ulbra.br/canoas/imprensa/noticia/28777/dia-nacional-da-matematica-conheca-a-historia-por-tras-da-data>. Acesso em 06 de mai. De 2021.

Dia Nacional da Matemática. <http://www.matematica.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=201>. Acesso em 06 de mai. De 2021.

Deixe o seu comentário!

06/05/2021 - Geografia

Indicador geográfic...

Olá professora! Olá professor! Você já ouviu falar em indicador geográfico? É um termo empregado para produtos que se destacam pela relação qualidade/ procedência. Por exemplo, as panelas de barro de Goiabeiras ...

06/05/2021 - Geografia

Indicador geográfico: um assunto para as aulas de Geografia

Olá professora! Olá professor!

Você já ouviu falar em indicador geográfico? É um termo empregado para produtos que se destacam pela relação qualidade/ procedência. Por exemplo, as panelas de barro de Goiabeiras (Vitória)/ ES, os queijos da Serra da Canastra/ MG, a banana de Corupá/ SC  ou os doces de Pelotas/RS. Aqui no Brasil, é o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) que concede o certificado, como forma de valorizar os produtores rurais, garantir a autenticidade do produto e promover o desenvolvimento econômico da região, sendo reconhecidos por ter uma identidade, qualidade e valor únicos.

São vários atributos levados em conta no momento da análise para a certificação:

  • aspectos físicos como tipo de relevo,  solo e vegetação;
  • condições meteorológicas como temperatura e precipitação;
  • atividades como condições de cultivo, tratamento dado ao produto, preservação ambiental, etc.

Mapa das Indicações Geográficas 2019

Fonte: https://geoftp.ibge.gov.br/cartas_e_mapas/pdf Acesso em 05 mai. 2021

A cada dia os produtos com indicações geográficas estão mais valorizados, e não apenas pela sua marca, mas, sobretudo pelo seu prestígio dentro e fora do país de origem, como é o caso do queijo Parmesão italiano e o vinho do Porto português.

Quando um item possui a indicação geográfica, seu valor agregado amplifica e toda a comunidade local ganha com isso. De acordo com o SEBRAE (2013), essa certificação divide-se em:

  • Indicação de procedência: nome geográfico (país, cidade, região ou localidade) reconhecido por ser o lugar principal de produção, fabricação ou extração de determinado produto ou serviço.
  • Denominação de origem: nome geográfico que identifica produto ou serviço dotado de características devidas, exclusivamente, ao meio geográfico.

Esse assunto pode ser trabalhado ao longo de todo o Ensino Fundamental, com destaque para os Anos Finais.  Além disso,  é possível relacionar o conteúdo do LDI à realidade, o que pode contribuir para uma aprendizagem significativa.

O que achou deste post? Deixe seu comentário.

Equipe Assessoria de Geografia

Sempre que precisar entre em contato conosco: geografia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Grande abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria de Geografia

Referências:
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em:  25 março de 2020
ENTENDA O CONCEITO DE INDICAÇÃO GEOGRÁFICA. O selo de indicação geográfica é uma garantia para o consumidor, pois comprova que o produto é genuíno e possui qualidades particulares, ligadas à sua origem. Artigo publicado em 03/12/2013. Disponível em https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/entenda-o-conceito-de-indicacao-geografica,5a8e438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD Acesso em 04 mai. 2021
Fonte mapa: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25216-mapa-das-indicacoes-geograficas#: Acesso em 04 mai. 2021
Fonte imagem:  https://pixabay.com/pt/photos/chocolates-barbear-chocolate-picado-2224998/ Acesso em 04 mai. 2021

 

 

Deixe o seu comentário!