Últimas Publicações:

11/08/2022 - Ensino Religioso

Painel duplo: dinâm...

    Olá professor! Olá professora!   A técnica painel duplo possibilita despertar aspectos sobre o tema que não foram trabalhados. Pode ser usada mesmo após uma palestra, leitura, filme, etc.   ...

11/08/2022 - Ensino Religioso

Painel duplo: dinâmica para aulas de ensino religioso

 

 

Olá professor! Olá professora!

 

A técnica painel duplo possibilita despertar aspectos sobre o tema que não foram trabalhados. Pode ser usada mesmo após uma palestra, leitura, filme, etc.

 

 

 

Fonte da Imagem: Pixabay

 

 

Objetivos:

  • Desenvolver a capacidade de pensar e raciocinar logicamente.
  • Procurar entender o ponto de vista de outra pessoa.
  • Obrigar pessoas muito seguras de seu ponto de vista a analisarem logicamente sua posição e a posição contrária.
  • Desenvolver a capacidade de argumentação lógica.
  • Convencer determinado tipo de pessoa de que sua posição é mais sólida emocionalmente do que racionalmente.

 

Quando usar?

  • Os temas não forem aceitos uniformemente pelo grupo.

 

Esta e outras técnicas podem ser consultadas no site História Digital, onde foram originalmente publicadas.

 

Como usar?

  • Pede-se a cooperação de sete pessoas que formam dois mini-grupos, um defendendo uma tese e o outro a contestando ou defendendo o contrário.
  • Invertem-se os papéis. O ataque passa à defesa e a defesa passa ao ataque.
  • O grande grupo pode manifestar-se, apoiando as teses que achar mais corretas.
  • O tempo todo alguém funciona como moderador.

 

 

Gostou da proposta? Já desenvolveu algum trabalho como este com seus alunos? Compartilhe conosco

 

Equipe Assessoria de História e Ensino Religioso

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram @aprendebrasil / YouTube: Sistema Aprende Brasil

 

 


Referências:
HISTÓRIA DIGITAL. 25 dinâmicas pedagógicas para grupos. Disponível em: <https://historiadigital.org/atividades/25-dinamicas-pedagogicas-para-grupos/>. Acesso em: 17 mar 2022.

Deixe o seu comentário!

02/08/2022 - Educação Física

A importância e os ...

Olá professores e professoras! Tudo bem? Estou passando aqui para te convidar para ouvir o episódio do POD aprender, o podcast do Aprende Brasil. No episódio 46 foi realizada uma reflexão sobre A importância e os de...

02/08/2022 - Educação Física

A importância e os desafios da Educação Física na escola

Olá professores e professoras! Tudo bem?

Estou passando aqui para te convidar para ouvir o episódio do POD aprender, o podcast do Aprende Brasil.

No episódio 46 foi realizada uma reflexão sobre A importância e os desafios da Educação Física na escola, com os professores de Educação Física – Kátia Costa e Luis Henrique Martins Vasquinho, que dialogaram a respeito da Educação Física na escola.

Ficou curioso/a? Então, CLIQUE AQUI para escutá-lo. Aproveite para comentar e também ouvir outros episódios do POD aprender.

Um abraço e até a próxima.

 

Assessoria de Educação Física

Sempre que precisar entre em contato conosco: edfisica@aprendebrasil.com.br

Siga nossas redes socias:@aprendebrasil

 

Deixe o seu comentário!

02/08/2022 - História

Fórum: estratégia ...

    Olá professor! Olá professora!   Caracterização da técnica: fórum A técnica é boa para garantir a participação de grande número de pessoas, sobre temas contraditórios, embora alguns partici...

02/08/2022 - História

Fórum: estratégia para aulas de história

 

 

Olá professor! Olá professora!

 

Caracterização da técnica: fórum

A técnica é boa para garantir a participação de grande número de pessoas, sobre temas contraditórios, embora alguns participem como observadores do debate.

 

Fonte da Imagem: Pixabay

 

Objetivos:

  • Dinamizar o grupo.
  • Desenvolver a capacidade de raciocínio.
  • Desenvolver a logicidade.
  • Ensinar a saber vencer e a saber perder.
  • Desenvolver a capacidade de aceitar pontos de vista contrários.
  • Desenvolver a imparcialidade de julgamento.

 

Quando usar?

  • Quiser treinar o grupo a não se envolver emocionalmente na questão, desenvolvendo a racionalidade.
  • Quiser despertar a participação da assembleia através de depoimentos.
  • Desejar discutir temas controvertidos.

 

Esta e outras técnicas podem ser consultadas no site História Digital, onde foram originalmente publicadas.

 

Como usar?

  • Escolha três participantes: um defende, o outro contesta o tema, e o terceiro coordena.
  • A assembleia deve participar, colocando-se de um lado ou de outro.
  • No final, o moderador oferece uma conclusão.
  • Obs. Para aumentar a participação pode-se constituir um corpo de auxiliares da defesa e da acusação, e um júri.

 

Gostou da proposta? Já desenvolveu algum trabalho como este com seus alunos? Compartilhe conosco

 

Equipe Assessoria de História e Ensino Religioso

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram @aprendebrasil / YouTube: Sistema Aprende Brasil

 

 


Referências:
HISTÓRIA DIGITAL. 25 dinâmicas pedagógicas para grupos. Disponível em: <https://historiadigital.org/atividades/25-dinamicas-pedagogicas-para-grupos/>. Acesso em: 17 mar 2022.

Deixe o seu comentário!

29/07/2022 - Ensino Religioso

Plano de Aula: O lug...

  Olá Professores!   Neste post apresentaremos uma proposta de plano de aula para abordar diversas formas de expressar sentimentos, nesse caso: Amor, para qualquer série do Ensino Fundamental.     P...

29/07/2022 - Ensino Religioso

Plano de Aula: O lugar do Amar

 

Olá Professores!

 

Neste post apresentaremos uma proposta de plano de aula para abordar diversas formas de expressar sentimentos, nesse caso: Amor, para qualquer série do Ensino Fundamental.

 


 

Palavras-chave:
Amor; Sentimentos; Habilidades socio-emocionais.

Segmento/ano:
Ensino Fundamental

 


 

 

Vamos conversar sobre amor?

 

Nunca é demais falar de amor. Aqui não vamos falar da visão romântica de amor, mas de uma visão ampla, conforme entendimento da Grécia Antiga, que o dividia em pelo menos seis variedades:

 

  1. Eros — ligado ao prazer sexual e ao desejo.
  2. Philia — ligado à amizade ou mesmo ao amor entre pais e filhos.
  3. Ludus — ligado à afeição divertida entre crianças ou jovens amantes.
  4. Agape — amor abnegado, estendido à varias pessoas (foi traduzido para o latim como caritas).
  5. Pragma — amor maduro entre casais de longo casamento.
  6. Philautia — auto-amor, dividida entre narcisismo (não saudável) e uma versão mais ligada a segurança. “Se você gosta de si mesmo e sente seguro em si mesmo, você terá amor suficiente para dar aos outros.

 

Numa relação, é importante observar o outro como uma extensão do eu. Sem o outro, não há um eu. Isso abre um portal de entendimento e diálogo poderoso, pois para compreender você, tenho que absorver os conceitos que  usa para se autodeterminar. Preciso me despir, tirar o filtro, o véu, o piche, até chegar nas ideias comuns. Uma individualidade só é possível se cada individualidade sabe da outra por meio da observação individual.

 

Entendo que as “pessoas aprendem os valores culturais, aprendem a amar, a temer, a ter confiança, aprendem traços de caráter e de personalidade”[1] esse é um tema que vale ser debatido em sala. Assim, nossas crianças podem perceber que existem diferentes formas de amar, e de expressar esse sentimento.

 

SUGESTÃO DE LEITURA: “Vivendo de amor, de Bell Hooks”

 

Trechos do texto indicado:

A luta pela sobrevivência era mais importante do que o amor. Suprir as necessidades materiais é sinônimo de amar. Mas é claro que mesmo quando se possui privilégios materiais, o amor pode estar ausente. E num contexto de pobreza, quando a luta pela sobrevivência se faz necessária, é possível encontrar espaços para amar e brincar, para se expressar criatividade, para se receber carinho e atenção.

Uso a expressão “amor interior” e não “amor próprio” porque a palavra “próprio” é geralmente usada para definir nossa posição em relação aos outros.

Gosto muito daquele trecho da bíblia, nos “Provérbios”, que diz: “Um jantar de ervas, onde existe amor, é melhor que uma bandeja de prata cheia de ódio”.

 

 

O que achou da sugestão de leitura e abordagem?

 

 

Para entender mais sobre o Ensino Religioso como conhecimento escolar leia nossos posts:

 

Equipe Assessoria de História e Ensino Religioso

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram @aprendebrasil / YouTube: Sistema Aprende Brasil

 


Referências:

 

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em: abril, 2021.
[1] PORTAL EDUCAÇÃO. Ensino Religioso. Campo Grande: Portal Educação, 2012.
Secretaria de Educação. Prefeitura de Petrópolis. Caminho para Deus. p. 73.
Site: http://www.bnccnapratica.com.br/explore-a-matriz

Deixe o seu comentário!

19/07/2022 - História

Painel de três: din...

    Olá professor! Olá professora!   Neste post você conhecerá a técnica painel de três que pode ser desenvolvida em sala de aula com o objetivo de estimular o protagonismo do aluno diante do aprendi...

19/07/2022 - História

Painel de três: dinâmica para aulas de história

 

 

Olá professor! Olá professora!

 

Neste post você conhecerá a técnica painel de três que pode ser desenvolvida em sala de aula com o objetivo de estimular o protagonismo do aluno diante do aprendizado.

 

Painel de três

 

Fonte da Imagem: Pixabay

 

Esta e outras técnicas podem ser consultadas no site História Digital, onde foram originalmente publicadas.

 

Como usar?

  • Dividir o grupo em três subgrupos. Denominá-los: Apresentador, Opositor e Assembleia.
  • O grupo Apresentador apresenta (sem ser interrompido), o conteúdo do tema.
  • O grupo Opositor anota o que não concorda e o que concorda. Após o Apresentador terminar, lança suas anotações para o grupo.
  • A Assembleia, que tudo ouviu e anotou, apresenta seu depoimento.
  • O professor conclui.

 

 

Gostou da proposta? Já desenvolveu algum trabalho como este com seus alunos? Compartilhe conosco

 

Equipe Assessoria de História e Ensino Religioso

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram @aprendebrasil / YouTube: Sistema Aprende Brasil

 

 


Referências:
HISTÓRIA DIGITAL. 25 dinâmicas pedagógicas para grupos. Disponível em: <https://historiadigital.org/atividades/25-dinamicas-pedagogicas-para-grupos/>. Acesso em: 17 mar 2022.

Deixe o seu comentário!

18/07/2022 - Arte

Aula de gravura, bor...

Olá professora, olá professor! Você já ouviu falar de GRAVURA? Hoje nós vamos falar um pouco mais dessa técnica muito explorada no nordeste brasileiro e que tem a capacidade de contar lindas histórias. Gravura Ter...

18/07/2022 - Arte

Aula de gravura, bora tentar?

Olá professora, olá professor!

Você já ouviu falar de GRAVURA?

Hoje nós vamos falar um pouco mais dessa técnica muito explorada no nordeste brasileiro e que tem a capacidade de contar lindas histórias.

Gravura

Termo que designa, em geral, desenhos feitos em superfícies duras – como madeira, pedra e metal – a partir de incisões, corrosões e talhos realizados com instrumentos e materiais especiais. Ao contrário do desenho, os procedimentos técnicos empregados na gravura permitem a reprodução da imagem. Nessa medida, uma gravura é considerada original quando resultado direto da matriz criada pelo artista, que a partir dela imprime a imagem em exemplares iguais, numerados e assinados. Em função da técnica e do material empregados, a gravura recebe uma nomenclatura específica: litografia, gravura em metal, xilogravura, serigrafia etc.
O Brasil conhece uma série de artistas, de distintas gerações, que têm seus nomes associados diretamente à gravura, como Oswaldo Goeldi (1895 – 1961), Lívio Abramo (1903 – 1992), Marcelo Grassmann (1925), Evandro Carlos Jardim (1935), Carlos Oswald (1882 – 1971), entre outros. Lasar Segall (1891 – 1957), ainda que responsável por uma obra ampla e variada, possui significativa produção no campo da gravura. Além disso, a gravura aparece como meio de expressão privilegiado em certos contextos precisos: no Clube de Gravura de Porto Alegre, dirigido por Carlos Scliar (1920 – 2001) – em que a técnica é exercitada a partir de temáticas sociais e políticas – e no Ateliê Coletivo, criado e dirigido pelo escultor Abelardo da Hora (1924), em Recife, que produz, sobretudo, xilogravuras, inspiradas diretamente na cultura popular nordestina.
Tipos de gravura
Existem dois tipos comuns de gravura são em superfície ou em relevo.
Em horizonte: o sulco vai receber a tinta e aparece como positivo no trabalho final.
Em relevo a superfície não horizonte é que recebe a tinta e o sulco aparece em negativo (sem tinta).
Técnicas
A xilogravura é a técnica mais antiga para produzir gravuras, e seus princípios são muito simples. O artista retira de uma superfície plana (matriz, geralmente é madeira) as partes que ele não quer que tenham cor na gravura. Após aplicar tinta na superfície, coloca um papel sobre a mesma. Ao aplicar pressão (com uma prensa) sobre essa folha a imagem é transferida para o papel.
A técnica da gravura em metal começou a ser utilizada na Europa no século XV. As matrizes podem ser feitas a partir de placas de cobre, zinco ou latão. Estas são gravadas com incisão direta ou pelo uso de banhos de ácido. Água-forte, água-tinta, ponta seca são as técnicas mais usuais. A matriz é entintada e utiliza-se uma prensa para transferir a imagem para o papel.
Em 1796 Alois Senefelder descobriu as possibilidades da pedra calcária para fazer impresões e, após dois anos de experimentações desenvolveu a técnica da Litografia. Esta técnica parte do princípio químico que água e gordura se repelem. As imagens são desenhadas com material gorduroso sobre pedra calcária e com a aplicação de ácido sobre a mesma, a imagem é gravada. Assim como a gravura em metal, essa técnica também necessita de uma prensa para transferir para o papel a imagem gravada na pedra.
Embora existam registros de trabalhos utilizando stencil na China, no século VIII, a serigrafia começa a ser aplicada mais freqüentemente por artistas na segunda metade do século XX. Como as técnicas descritas acima, também a serigrafia apresenta diversas técnicas de gravação de imagem. Uma delas é a gravação por processo fotográfico. Imagens são gravadas na tela de poliéster e com a utilização de um rodo com a tinta a imagem é transferida para o papel.

E no material didático?

O material didático do Sistema Aprende Brasil traz artistas e exemplos de xilogravura, além disso, ao final da explicação tem um exemplo de uma atividade de gravura. Que tal tentar?

 

Material didático do 3º Ano, volume 3, página 10.

Gostou? Ficou com dúvidas ou tem sugestões?

Deixe aqui nos comentários!!!

ATÉ A PRÓXIMA, TCHAU! =)

Rafael Pawlina

Assessor de Arte

 

Ah, e para ficar por dentro das novidades e novos posts do blog, se inscreva no formulário:

Nós enviamos uma notificação toda vez que tiver postagem nova.

Deixe o seu comentário!