Últimas Publicações:

17/08/2020 - Geografia

A densidade demográ...

Olá professor! Olá professora! Tudo bem? No post de hoje irei abordar um tema para lá de conhecido. A densidade demográfica. Este índice tem chamado a atenção da saúde pública. Em áreas onde ela é elevada, o ...

17/08/2020 - Geografia

A densidade demográfica e a Pandemia

Olá professor! Olá professora! Tudo bem?

No post de hoje irei abordar um tema para lá de conhecido. A densidade demográfica. Este índice tem chamado a atenção da saúde pública. Em áreas onde ela é elevada, o Coronavírus se espalha tal qual fogo em uma mata. Apesar da Covid-19 não escolher o grupo populacional que irá infectar, o fato é que entre as populações de menor nível socioeconômico, os índices de contaminação são alarmantes. Isso acontece porque para esse grupo, o isolamento social praticamente não existe. Há muitas pessoas que compartilham espaços pequenos e precários, onde o saneamento básico é quase inexistente, permanecem trabalhando, e, por conta disso, utilizando o transporte coletivo.

Isto posto, podemos concluir que seja na América Latina ou em qualquer outra região do planeta, são os grupos mais vulneráveis que sofrem com as adversidades, sejam elas de ordem natural, social ou econômica. Observe o mapa a seguir:

A temática deste artigo pode ser utilizada como gatilho para trabalhar com diferentes conteúdos dos nossos livros, como: desigualdade social, densidade demográfica, crescimento vegetativo, deslocamentos populacionais, redes de transporte e comunicação, políticas públicas. Enfim, são inúmeros assuntos que poderão ser abordados. Além disso, este assunto também está presente na BNCC.  A seguir, o destaque para algumas habilidades que também podem ser trabalhadas:

(EF04GE02) Descrever processos migratórios e suas contribuições para a formação da sociedade brasileira.

(EF05GE03) Identificar as formas e funções das cidades e analisar as mudanças sociais, econômicas e ambientais provocadas pelo seu crescimento.

(EF06GE12) Identificar o consumo dos recursos hídricos e o uso das principais bacias hidrográficas no Brasil e no mundo, enfatizando as transformações nos ambientes urbanos.

(EF07GE04) Analisar a distribuição territorial da população brasileira, considerando a diversidade étnico-cultural (indígena, africana, europeia e asiática), assim como aspectos de renda, sexo e idade nas regiões brasileiras.

(EF08GE03) Analisar aspectos representativos da dinâmica demográfica, considerando características da população (perfil etário, crescimento vegetativo e mobilidade espacial).

(EF09GE15) Comparar e classificar diferentes regiões do mundo com base em informações populacionais, econômicas e socioambientais representadas em mapas temáticos e com diferentes projeções cartográficas.

O que achou deste post? Deixe seu comentário.

Equipe Assessoria de Geografia

Sempre que precisar entre em contato conosco: geografia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Grande abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria de Geografia

Referências:
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em:  25 Março de 2020.
GALINDO, J. e ARROYO, L. Os mapas da pandemia revelam as desigualdades na América Latina. Artigo disponível em <https://brasil.elpais.com/internacional/2020-08-04/os-mapas-da-pandemia-revelam-as-desigualdades-na-america-latina.html#?sma=newsletter_brasil_diaria20200805> Acesso em 13 Ago. 2020

 

Deixe o seu comentário!

  • A TEMÁTICA ABORDADA É MUITO INTERESSANTE. PRECISAMOS MESMO TRABALHAR ESSE TEMAS PARA QUE O ALUNO PERCEBA QUE AS DIFERENÇAS SOCIAIS EM NOSSA SOCIEDADE. QUANDO ELE SABE O QUANTO É PREJUDICADO POR CAUSA DA FALTA DE POLÍTICAS PÚBLICAS, DÁ A ELE A OPORTUNIDADE DE LUTAR POR UM MUNDO MELHOR.

    • Olá Maria Ângela,
      De fato. Temos que tentar desenvolver em nossos alunos uma consciência crítica, aliás essa é uma das competências gerais da BNCC, desenvolver o pensamento científico, crítico e criativo.

14/08/2020 - Língua Inglesa

Quarentine, what a l...

Hello, folks! Espero que todos estejam bem nesse período extraordinário que estamos vivendo, cheio de experiências jamais vividas com os alunos. Ainda vamos olhar para trás e dizer: foi um período difícil, mas eu a...

14/08/2020 - Língua Inglesa

Quarentine, what a lovely period of time!

Hello, folks!

Espero que todos estejam bem nesse período extraordinário que estamos vivendo, cheio de experiências jamais vividas com os alunos. Ainda vamos olhar para trás e dizer: foi um período difícil, mas eu aprendi muito!

Enquanto a vacina não vem, vamos aprender e rir juntos das situações que vivemos. Na maioria das vezes, rir é o melhor remédio.  No link a seguir, do Canal Bored Teachers, a professora compartilha esses momentos no vídeo Things we only say when remote teaching. É fácil nos reconhecermos na mesma situação. É algo novo para todo mundo, especialmente para as crianças. Convido a assistir ao vídeo.

E mais, vamos nos identificar também com esse vídeo. Você sente falta da escola? Dos alunos? E canta sozinha pela casa as músicas em inglês? Quem vive com a gente também acaba aprendendo, veja:

É importante perceber que não estamos sozinhos. Do outro lado do mundo, professores enfrentam as mesmas dificuldades e dilemas diante da situação da pandemia, ainda que estejam em outro país. Professores, queridos, não desanimem. Estamos fazendo o nosso melhor! Vale à pena  perceber que não estamos sozinhos nessa!

Take proper care! 

Virtual hugs!

Cassiana

Assessoria de Língua Inglesa

Deixe o seu comentário!

    • Sim, por isso achei interessante dividir isso com vocês. Estamos vivendo uma realidade diferente de tudo o que já vivenciamos. Mas é importante perceber que não estamos sozinhos. O mundo todo vive esse novo desafio, ensinar nesse período. E de uma maneira ou outra estamos evoluindo, estudando, aprendendo novas técnicas, estratégias, metodologias, dando sempre o melhor!

10/08/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante...

Olá, familiares e professores! Espero que todos estejam bem em seus lares! Como todas as outras postagens, hoje vamos abordar mais um assunto bacana: contação de histórias para crianças de todas as idades. Vocês sa...

10/08/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante para crianças de todas as idades

Olá, familiares e professores!

Espero que todos estejam bem em seus lares!

Como todas as outras postagens, hoje vamos abordar mais um assunto bacana: contação de histórias para crianças de todas as idades.

Vocês sabiam que as histórias têm um papel importante e são fundamentais na formação educacional da criança? É um momento mágico, no qual a criança terá a oportunidade de vivenciar e absorver situações que possa permitir a ela identificar-se com aquele instante, além de contribuir para o desenvolvimento de sua linguagem.

Antigamente, as pessoas demonstravam suas habilidades de comunicação e fala, contando histórias. Entre os povos ancestrais, essas histórias proporcionavam momentos de afeto, descobertas, aprendizagem, união, confraternização e trocas de experiências. A contação de histórias também ajudava os povos antigos a passarem o tempo e a vencerem a solidão, a quietude, a tristeza, o tédio, contar novidades e compartilhar alegrias. E tudo isso, era estimulante e enriquecedor porque despertava ainda mais a vontade e a motivação de quem escutava, a querer ouvir mais e mais e a contar fatos e histórias também. Muitas pessoas se reuniam em volta da mesa, no jardim de suas casas, nas praças e calçadas para contar histórias, casos e situações vivenciadas e todos adoravam ouvir e aprender.

Com o passar dos tempos e por meio desses estímulos gerados pela contação de histórias, foi observado que com elas, crianças, jovens e adultos podem adquirir valores morais e sociais, e ampliar o conhecimento cultural. Nesse contexto percebe-se claramente a importância e o significado das histórias na prática familiar, social e escolar.

Essa prática tão bela, instigante e provocante,  irá contribuir para que a criança amplie seu  gosto pela leitura e pela linguagem, a desenvolver ainda mais a imaginação, a criatividade e o faz de conta tão importante na infância, além de ser excelente ferramenta para auxiliar a criança na observação, reflexão e memória, despertando nela o lado lúdico, característica fundamental para o seu pleno desenvolvimento.

Dessa forma, aproveitando a chegada da estação mais fria do ano, que tal pegar um cobertor para se aquecer e promover seções de contação de histórias para as crianças? É uma dica muito legal para instigar o pensamento, a imaginação, o faz de conta, a criatividade e ampliar a oralidade.

As histórias podem ser contadas em vários espaços diferenciados:  na sala sobre o tapete ou no sofá, no jardim, na cama antes de dormir , durante o banho, na rede, fazendo um piquenique na área externa de sua residência, enfim escolha o espaço e o momento que achar necessário e propício para  tornar a contação bem agradável, divertida e proveitosa.

 

 

 

 

Segundo Ferreira (2011, p.78), os momentos de contar histórias devem ser mágicos como as histórias. Ouvir uma história é muito envolvente e o que mais importa é que as crianças estejam acomodadas confortavelmente, sentadas no chão em tapetes ou almofadas. O espaço pode ser simples, mas o ideal é que seja reservado especialmente para a biblioteca da sala e para a contação de histórias. Veja algumas dicas a seguir.

  • Você pode ficar em pé ou sentado entre as crianças organizadas em um semicírculo.
  • Procure dramatizar a história. Faça entonações diferentes para cada personagem, crie

efeitos sonoros, sempre respeitando a ordem dos acontecimentos.

  • Se desejar, você pode usar fantoches, dedoches, fantasias, imagens soltas, bonecos, músicas e outros recursos como acessórios, de modo a dar mais dinamicidade e vivacidade ao texto.
  • Se você for ler um livro, é importante mostrar às crianças cada página, para que elas possam ver as ilustrações, que vão somar-se aos elementos que ela imaginou.
  • Se você for contar uma história sem o apoio de um livro, é fundamental conhecer bem o enredo, a fim de poder contar de maneira fluente e com suas próprias palavras, utilizando-se de uma linguagem simples.
  • Ao final da sessão, pergunte para as crianças o que elas acharam da história, o que sentiram, se gostaram ou não do final e que outro desfecho elas dariam para a narrativa.

Analisando mais atentamente a prática de contar histórias, seja em casa, seja na escola, é fácil percebermos o quanto isso pode contribuir para o desenvolvimento da criança, com ganhos que perpassam várias áreas, como o cognitivo, o afetivo e o social.

Os educadores, quando praticam a contação ou a “hora” da história (como muitos falam) com suas crianças, são capazes de transformar as vidas delas dentro e fora da escola. Assim é com os pais, avós e outro familiar adulto, que podem ensinar e estreitar os relacionamentos com suas crianças por meio da contação de histórias.

Uma boa história, aquela que encanta, que atrai, que diverte e faz “ viajar” e ir além da imaginação auxilia muito no desenvolvimento em todas as etapas da vida da criança, contribuindo no seu aprendizado, na fala, no raciocínio e na criatividade. A grande mágica é que até mesmo nós adultos somos transformados pelas histórias que ouvimos.

Certamente, além das crianças, papai, mamãe, avós, professores, enfim todos que estiverem participando desse momento irão interagir, aproveitar, se divertir, imaginar e sonhar!

Você que ainda não fez isso, que tal fazer esse exercício e contar alguma história para alguém? Leia, conte, constate e depois nos conte como foi essa experiência incrível e linda que vivenciou!

 

Para saber mais algumas dicas bem bacanas para contar histórias para as crianças acesse  o link https://youtu.be/NmRF3DoVd_U e veja o que a Fafá – Contadora de histórias sugere. Você irá se encantar!

 

Referência:

FERREIRA, L.C.S. Educação na Primeira Infância. Editora Opet. Curitiba, 2011.

Forte abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria Educação Infantil

Não hesitem, entrem sempre em contato conosco pelo e-mail edinfantil@aprendebrasil.com.br

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

 

Deixe o seu comentário!

  • [* O plugin Shield marcou este comentário como “Pending Moderation”. Motivo: Filtro humano de spam encontrado “excelent” em “comment_content” *]
    Contar história é um momento que pode influenciar a vida da criança para sempre. Excelente colocações.

    • Olá Maria JOsé, obrigada pela sua opinião, fazemos sempre assuntos que são de interesse para professores de Educação infantil. Abraço e fique de olho nas novidades.

    • Ivone, concordamos com você, momento mágico, não é? E as crianças amam. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

    • Concordamos com você Fabiany, e as crianças amam. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • Quando criança adorávamos brincar de casinha faz de conta, cada um era um personagem do sítio do pica pau amarelo. Era muito bom . Turminha de coleguinhas de história. Tempos bons!

    • Erni, recordar é viver e se foram momentos bons, vamos fazer para nossos pequenos. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • Realmente a contação de histórias é muito importante para perpetuar a ligação familiar quando ocorre no contexto familiar. A contação de história foi muito importante durante minha infância. No final da tarde mamãe e papai se sentavam juntamente comigo e meus irmãos e contavam várias histórias para nós. Aquele momento era mágico para nós. ficávamos com os olhos vidrados e os ouvidos inclinados querendo saber o que ia acontecer e a cada dia eles mudavam a história e assim esperávamos por uma outra na próxima tarde. E na Educação Infantil penso ser um momento de grande aprendizagem para a criança, uma vez que ela também participa do processo de conto e reconto de histórias, desenvolvendo assim a sua capacidade imaginativa, curiosidade e imaginação, se colocando como protagonista do processo de contação de história. É realmente um momento mágico em que ela (criança) pode se transformar no personagem preferido e mudar o rumo da história com sua imaginação.

    • Maria José, obrigada pela sua contribuição, que delícia recordar, são nossas memórias afetivas. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • Outra história emocionante é aquela que a família pode contar através do álbum de família.

    • Landrea, isso mesmo, as memórias afetivas ganham força, e sua sugestão pode ser um excelente recurso para esse momento de ensino remoto. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

    • Puxa Cassia, mas se estou recebendo esse, como pode não chegar seus comentários? Aparece alguma mensagem? Conte-nos por favor. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • Adoramos ler histórias em família, principalmente na hora de dormir. Finalizamos com músicas com sons da natureza!!!

    • Flávia, que delícia, isso vai construindo a memória afetiva. Parabéns. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • [* O plugin Shield marcou este comentário como “Pending Moderation”. Motivo: Filtro humano de spam encontrado “ambien” em “comment_content” *]
    Contando histórias para as crianças desenvolvemos a imaginação, a oralidade e a interação com o ambiente
    Muito bom contar histórias.

    • Ana Emília!
      Além de desenvolver a imaginação, a oralidade e a interação, os momentos das histórias aguçam muito a curiosidade, a descoberta e trabalha bastante também com o faz de conta. Todos esses pontos mencionados são fundamentais e que contribuirão de modo significativo com o desenvolvimento integral das nossas crianças.
      Abraço,
      Equipe Assessoria da Educação Infantil

    • Sim, Ana Emília!
      Além de desenvolver a imaginação, a oralidade e a interação com o ambiente conforme você comentou, a contação de histórias e ou a leitura de histórias desperta ainda mais a curiosidade das crianças, além de fazer do “faz de conta ” momentos repletos de aprendizagem e de importantes descobertas.
      Abraços,
      Assessoria Pedagógica da Educação Infantil do Aprende Brasil

  • Uma das vezes contamos numa cabana de lençóis e mesas e pipoca…com os netos…

    • Que bacana, Aparecida!
      Eu, quando pequena, adorava fazer cabanas para brincar dentro dela. Meus irmãos, primos nos deliciávamos contando histórias e fazendo outras artes.
      Atualmente, meus pais que são avós fazem isso com os netos e eles adoram!
      Abraço,
      Equipe de Assessoria da Educação Infantil

    • E como isso é bom, não é mesmo Aparecida!
      Continue proporcionando momentos assim para as crianças!
      Além de contribuir com o desenvolvimento integral das crianças, serão sempre momentos de alegria, satisfação, diversão e afeto entre todos!
      Abraço,
      Assessoria Pedagógica da Educação Infantil do Aprende Brasil

  • A alfabetização na educação infantil precisa através do brincar, com interação da criança com o mundo onde vive, com historias lúdicas mágicas com muita interação social.

    • Landrea!
      O trabalho da Educação Infantil deve contemplar as interações e brincadeiras, eixos estruturantes importantíssimos que devem nortear nossa prática pedagógica!
      É por meio do brincar, das atividades lúdicas, dos jogos e das interações que nas crianças da Educação Infantil irão aprender de forma mais prazerosa e significativa.
      Tenha um bom dia!
      Equipe de Assessoria da Educação Infantil do Aprende Brasil.

    • Leandra!
      Seu comentário foi respondido logo acima!
      Obrigada,
      Equipe de Assessoria da Educação Infantil.

    • Sim, Landrea!
      Atividades lúdicas na Educação Infantil é de extrema importância e contribui muito com a aprendizagem das crianças. A própria BNCC nos aponta os eixos estruturantes que devem permear o trabalho na Educação Infantil – “Interações e Brincadeiras”. Por meio das brincadeiras e da ludicidade a criança, experimenta, investiga, descobre, aprende e se desenvolve integralmente!
      Abraço,
      Assessoria Pedagógica da Educação Infantil do Aprende Brasil

06/07/2020 - Geografia

Competências socioe...

Olá professores! Tudo bem? Você é uma pessoa assertiva?  A assertividade é uma competência essencial para o equilíbrio fisíco e mental, uma vez que, quando não externamos aquilo que nos incomoda, acabamos por a...

06/07/2020 - Geografia

Competências socioemocionais – Assertividade

Olá professores! Tudo bem?

Você é uma pessoa assertiva?  A assertividade é uma competência essencial para o equilíbrio fisíco e mental, uma vez que, quando não externamos aquilo que nos incomoda, acabamos por adoecer. No vídeo desta semana, abordarei brevemente sobre esta competência, para assisti-lo clique no link a seguir:http://https://youtu.be/YQbUXOXmlv4

Até o próximo post!

Assessoria de Geografia

Sempre que precisar entre em contato conosco: geografia@aprendebrasil.com.br

Siga nossas redes socias:@aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

29/06/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante...

Olá, pessoal! Espero que o final de semana tenha sido feliz e que todos estejam bem! Como já constatado, percebemos que as brincadeiras auxiliam a estimular os aspectos do desenvolvimento humano! Nem sempre é necessá...

29/06/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante para bebês e crianças bem pequenas

Olá, pessoal!

Espero que o final de semana tenha sido feliz e que todos estejam bem!

Como já constatado, percebemos que as brincadeiras auxiliam a estimular os aspectos do desenvolvimento humano!

Nem sempre é necessário ter brinquedos prontos e estruturados, com barulhinhos e músicas para despertar o interesse dos pequenos. Com dedicação, interesse , imaginação e criatividade é possível inventar brincadeiras, jogos e brinquedos que chamem atenção das crianças, que agucem a curiosidade, a experiência e a descoberta e que contribuam para o seu pleno desenvolvimento.

Hoje, gostaria de apresentar uma brincadeira lúdica para estimular o raciocínio, a coordenação, a diversão e a concentração das crianças.

Objetos da própria casa ou materiais recicláveis que seriam descartados ou jogados no lixo se tornam brinquedos e brincadeiras diferentes, divertidas e de grande aprendizado.

Brinquedo com caixa de ovo

Caixa de ovos vira brinquedo de encaixar.

 A primeira dica é “ furando a caixinha de ovos”.

Furar a caixa de ovos para que a criança possa encaixar hastes flexíveis (ou cotonetes) é ótimo para desenvolver a coordenação motora fina, o movimento pinça, a linguagem corporal e a concentração. Essa brincadeira pode entreter e alegrar os pequenos por muito tempo e ser repetida várias vezes.

Para fazer esta atividade, pegue um objeto perfurante (pode ser uma chave de fenda ou tesoura), fure a caixa de ovo e dê as hastes flexíveis para a criança começar a encaixá-las nos buraquinhos feitos, se entreter e brincar. Vale lembrar que esta brincadeira deve ser supervisionada por um adulto, já que as hastes podem ser atrativas para as crianças e colocadas em lugares perigosos, como olhos e boca.

Outra opção é “enchendo a caixinha de ovos”.

Esta sugestão também é ótima para desenvolver a coordenação motora, o movimento pinça, a noção de espaço, o raciocínio e demais habilidades.

Para esta proposta, pegue uma caixinha de ovos, deixe-a aberta e coloque-a sobre um tapete no chão da sala ou do quarto ou de outro ambiente da casa que desejar.

Coloque dentro de uma caixinha ou pote ou pratinho de plástico alguns objetos ( tampas de garrafa pet, pompons de lã, bolinhas feitas de massinha de modelar, pecinhas de lego, enfim o que desejar e que tiver disponível e que seja do tamanho suficiente para colocar no lugar dos “ ovos” que não estão mais na caixa).

Em seguida, é só deixar a criança colocar os objetos dentro dos espaços vazios da caixinha de ovos. É interessante observar se a criança coloca um único objeto ou mais de um no mesmo espaço, se preenche todos os espaços vazios, se coloca e depois retira o objeto para repetir a brincadeira, pega um de cada vez ou se consegue pegar dois ou mais objetos e coloca-os em uma única vez, enfim observar qual foi a estratégia e raciocínio utilizado por ela ao tentar completar a caixinha de ovos. Lembro novamente, que esta brincadeira deve ser supervisionada por um adulto, já que os objetos disponibilizados podem ser atrativos para as crianças e colocados na boca.

 

 

 

 

 

As duas propostas são muito interessantes para essas faixas etárias e é importante, por parte do adulto proporcionar situações que possam instigar o pensamento e a descoberta da criança, fazendo alguns questionamentos como:

“Porque você colocou a haste aqui e não ali?”

“Parabéns, você colocou as hastes em todos os buraquinhos da caixinha!”

“Será que todas as hastes foram colocadas nos buraquinhos da caixinha?”

“Quer minha ajuda?”

“Porque você não colocou todos os objetos dentro dos espaços vazios da caixinha de ovos?”

“Porque você colocou os objetos na caixinha sempre deixando um espaço vazio entre eles?”

“Porque você colocou dois objetos num único espaço da caixinha?”

“Ficou algum espaço sem ser preenchido?”

“Parabéns, você preencheu todos os espaços vazios da caixinha de ovos.”

É importante a interação, a participação e a observação do adulto durante a realização da atividade. Assim, é possível perceber as capacidades, o interesse, a motivação, as dificuldades e as conquistas da criança, assim como propostas tão simples podem contribuir para o seu pleno desenvolvimento.

Depois que brincar com seus pequenos, deixe um comentário contando como foi a experiência da caixinha de ovos.

Forte abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria Educação Infantil

Não hesitem, entrem sempre em contato conosco pelo e-mail edinfantil@aprendebrasil.com.br

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

 

Deixe o seu comentário!

29/06/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante...

Olá, pessoal! Espero que o final de semana tenha sido feliz e que todos estejam bem! Como já constatado, percebemos que as brincadeiras auxiliam a estimular os aspectos do desenvolvimento humano! Hoje, gostaria de apre...

29/06/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante para crianças pequenas

Olá, pessoal!

Espero que o final de semana tenha sido feliz e que todos estejam bem!

Como já constatado, percebemos que as brincadeiras auxiliam a estimular os aspectos do desenvolvimento humano!

Hoje, gostaria de apresentar um jogo que ajuda no desenvolvimento do raciocínio, da lógica, estratégia e resolução de problemas, prever o movimento do adversário, aprender a formar sequência e ter paciência.Vocês conseguem adivinhar sobre qual jogo estou me referindo?

Mais uma dica para vocês: pode-se jogá-lo dentro e fora de casa, utilizando materiais variados.

Simmm!! JOGO DA VELHA – Esse é o nome do jogo!

O Jogo da Velha (ou Jogo do Galo como é conhecido em Portugal, ou Tic Tac Toe) é milenar. Estudiosos de jogos antigos dizem que no Antigo Egito já havia registros de tabuleiros da “Velha” esculpidos em pedras. Que bacana, não é?

Eu joguei muito esse jogo e adorava jogá-lo! E vocês conhecem esse jogo? Vocês sabiam que podemos criar outras possibilidades para jogá-lo?

Regras do Jogo da Velha

  • O tabuleiro é uma matriz  de três linhas por três colunas.
  • Dois jogadores escolhem uma marcação cada um, geralmente um círculo (O) e um xis (X).
  • Os jogadores alternadamente, fazem uma marcação por vez, numa lacuna que esteja vazia.
  • O objetivo é conseguir três círculos (O) ou três xis (X) em linha, quer horizontal, vertical ou diagonal, e ao mesmo tempo, quando possível, impedir o adversário de ganhar na próxima jogada.
  • Quando um jogador conquista o objetivo, costuma-se riscar os três símbolos.

Se os dois jogadores jogarem sempre da melhor forma, o jogo terminará sempre em empate.

É uma brincadeira que permite ter algumas variações e possibilidades de aproveitamento em várias situações.

Vamos ver algumas delas?

Jogo da velha no tabuleiro (o tabuleiro pode ser substituído por sulfite, cartolina ou outros papeis lisos disponíveis em casa)

  • Para jogar, desenhe um diagrama com duas linhas verticais paralelas cruzadas por duas linhas horizontais também paralelas, de maneira a formar nove espaços vazios. Dois jogadores escolhem uma marcação cada um, geralmente um círculo (O) e um xis (X) feitas com caneta ou lápis de cor ou giz de cera. Porém, se preferir pode-se substituir as marcações círculo (O) e xis (X) por outros materiais como tampinhas de garrafa pet ( escolher duas cores diferentes), botões ( escolher duas cores ou dois formatos diferentes), quadradinhos feitos de papel ou EVA ( escolher duas cores ou dois formatos diferentes). Porém, cuidado com peças muito pequenas para que as crianças não as levem à boca!

 

 

 

 

 

Jogo da velha com prato descartável.

É só usar a fita adesiva para fazer o desenho do tabuleiro no chão da sala, da garagem da sua casa ou no jardim.

  • Utilize pratinhos de cores diferentes para cada jogador ou faça uma marcação diferente nos pratinhos de cada jogador, como: para um jogador pratinhos marcados com X e para o outro jogador pratinhos marcados com um tracinho. Ou, se preferir cole imagens ( sol, coração, estrela, flor, etc,.) que simbolizem a diferença dos pratinhos dos dois jogadores . Depois, é só jogar!

Jogo da Velha Humano

Para essa sugestão é necessário fazer um tabuleiro gigante com fita crepe no chão da sala, da garagem da sua casa ou no jardim.

  • Seis pessoas podem brincar, três em cada time que corresponde a dois times. A equipe do xix (X) ficam com os braços abertos. A equipe do círculo (O) com as mãos na cintura. Cada um na sua vez se posiciona numa casinha do tabuleiro até formar a “Velha”.

Super divertido! Se não tiver tantas pessoas para jogar, você pode complementar o tabuleiro com objetos como uma bola, um chinelo, folhas de árvores, gravetos, pedras, enfim o objeto que desejar e que tiver disponível em sua residência.

Jogo da velha com palitos de picolé

Para essa sugestão é necessário fazer um tabuleiro com quatro palitos de picolé no chão da sala, da cozinha, do quarto ou sobre uma mesa. Dois devem ficar na posição vertical e dois na horizontal para formar o tabuleiro como feito no papel.

  • Utilize palitos coloridos ou peça para a criança pintá-los com giz de cera ou tinta guache. Você poderá jogar com tampinhas de garrafa pet (escolher duas cores diferentes) ou fazer marcações diferentes nas tampinhas dos dois jogadores ou escolha os objetos disponíveis em sua residência para poder jogar. Com o tabuleiro pronto é só iniciar o jogo!

 

E aí, que tal experimentar alguma dessas possibilidades e jogar com sua família?

Depois, conte para nós como foi a sua experiência com essas possibilidades diferentes do jogo da velha! Ou crie uma outra e compartilhe conosco! Ficaremos muito felizes com sua ideia e comentário!

Forte abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria Educação Infantil

Não hesitem, entrem sempre em contato conosco pelo e-mail edinfantil@aprendebrasil.com.br

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

REFERÊNCIAS:

Brincadeira adaptada de: https://www.tempojunto.com/2016/05/19/jogo-da-velha-e-uma-brincadeira-para-dentro-e-fora-de-casa-que-estimula-a-velocidade-de-raciocinio/ Acesso em: 28/06/2020

Deixe o seu comentário!