Últimas Publicações:

30/03/2021 - Geografia, História

A interrupção do t...

Olá professora! Olá professor! Neste post falaremos sobre o encalhamento do cargueiro Ever Given, que aconteceu no dia 23/03, no Canal de Suez, principal rota de comércio entre a Ásia e a Europa (passagem entre o Mar...

30/03/2021 - Geografia, História

A interrupção do tráfego no Canal de Suez: a Geografia na atualidade

Olá professora! Olá professor!

Neste post falaremos sobre o encalhamento do cargueiro Ever Given, que aconteceu no dia 23/03, no Canal de Suez, principal rota de comércio entre a Ásia e a Europa (passagem entre o Mar Vermelho e o Mar Mediterrâneo) que durou quase uma semana.

Mas, o que provocou essa situação?  Fortes rajadas de vento, associadas a uma tempestade de areia, fizeram com que o navio  encalhasse e ficasse atravessado no Canal, que é responsável por cerca de 10% do comércio marítimo global. Com o bloqueio, mais de 400 navios ficaram parados, aguardando a liberação da passagem. A demora no desbloqueio, causou grandes prejuízos para as cias marítimas de cargas de todo o mundo, e, sobretudo para o Egito e para a Companhia Evergreen Marine Corp, que é a responsável pelo cargueiro encalhado. Ambos, país e companhia, tiveram que arcar com as despesas do desencalhe e perdas das demais cias. Além disso, parte da receita do Egito advém da cobrança de taxas pela passagem pelo Canal.

Outro fato que chama a atenção, é a dependência de uma única rota marítima, pois um possível desvio  envolveria uma viagem de cerca de 9 mil quilômetros até o Cabo da Boa Esperança, contornando a África, o que acrescentaria 15 dias de navegação, provocando o aumento dos custos de frete e automaticamente das mercadorias transportadas.

Essa situação poderia ser explorada em diferentes momentos das aulas de Geografia, ao longo de todo o Ensino Fundamental, uma vez que envolve conteúdos como:

  • localização espacial;
  • cartografia;
  • redes de transporte e comunicação;
  • internacionalização e globalização;
  • setores da economia;
  • geopolítica mundial;
  • comércio marítimo, etc.

O que achou deste post? Deixe seu comentário.

Equipe Assessoria de Geografia

Sempre que precisar entre em contato conosco: geografia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Grande abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria de Geografia

Referências:
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em:  25 março de 2020
ESPAÑOL, Marc. Encalhe do navio no Canal de Suez provoca prejuízos milionários e e queixas no Egito. Artigo disponível em <https://brasil.elpais.com/economia/2021-03-26/acoes-milionarias-e-queixas-no-egito-o-alto-custo-do-encalhe-do-navio-no-canal-de-suez.html>  Acesso em 26 mar.2021
Fonte imagem:  https://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2021-03/liberacao-de-porta-conteineres-libera-canal-do-sue Acesso em 29 mar.2021

Deixe o seu comentário!

10/03/2021 - Ensino Religioso, História

Dialoga, Brasil! ...

Palavras-chave: Tempo, temporalidade, memória. Segmento/ano: Ensino Fundamental, Educação Infantil.     Professores, vamos refletir um pouco sobre o conceito de tempo e temporalidade?   O que entendemos...

10/03/2021 - Ensino Religioso, História

Dialoga, Brasil! – Para que serve o tempo?

Palavras-chave:

Tempo, temporalidade, memória.

Segmento/ano:

Ensino Fundamental, Educação Infantil.

 


 

Professores, vamos refletir um pouco sobre o conceito de tempo e temporalidade?

 

O que entendemos por realidade é um processo individual para cada pessoa. Formado sobretudo através do nosso contato com o mundo externo e nossa absorção dele. Isso não ocorre de maneira neutra, pois nossas crenças, memórias, vivências, etc. servem de filtro para que a realidade chegue até nós, tornando-se um processo único para cada pessoa. 

Um dos fatores determinantes na forma como vamos dialogar com o mundo externo é o tempo. Por vezes tão abstrato, lidamos com ele de forma mecânica no cotidiano, ou mesmo inconsciente. Porém, compreender as diversas construções de tempo que nos rodeiam, permite-nos observar acontecimentos, agir e analisar a realidade de maneira mais crítica na nossa relação com o meio, com as pessoas e com nós mesmos. Tempo, é também um instrumento chave quando o assunto é ensino de História!

A nossa compreensão de tempo passa por um caminho: concepção do tempo, percepção do tempo e temporalidade.

A concepção está atrelada ao social, ou seja, como a sociedade na qual fomos criados entende o tempo? 

Sobretudo no ocidente, fomos ensinados a lidar com ele de forma cronológica e linear. Essa concepção é baseada numa ideia progressiva do tempo, como se estivéssemos caminhando em uma linha reta. Ou melhor, como se a História do mundo caminhasse de forma linear. As famosas linhas do tempo, tão usadas na História e no ensino dela, são um ótimo exemplo disso!

Apesar de ser comum vermos essa concepção como “natural”, há inúmeras críticas à ela, primeiro porque reproduz uma visão eurocêntrica e excludente do mundo, segundo porque:

 

O tempo da História não é uma linha reta […] as linhas entrecruzadas por ele compõem um relevo. Ele tem espessura e profundidade (PROST, 2014, p. 114)

 

Dessa forma, é importante que observemos que construir uma História cronológica e selecionar os fatos considerados relevantes para se estar em uma linha do tempo não é um processo neutro e exclui dessa linha muitos outros acontecimentos e fatos ocorridos em tempos e espaços distintos. 

 

Para acessar o PDF clique na imagem ou AQUI.

 

Por sua vez, a percepção do tempo está ligada a forma como a concepção social chega para nós, de forma individual, filtrado por nossas memórias, vivências, crenças, etc. 

E por fim, chegamos a temporalidade: a sensação de passagem objetiva do tempo, no cotidiano, e nossas ações ligadas e delimitadas pelo tempo. A hora de acordar, sair de casa para o trabalho, escola ou faculdade, o horário daquela reunião importante, a hora do almoço e do café da tarde… tudo isso influencia as nossas ações e nossas relações: eis a importância da temporalidade!

Assim percebemos que, apesar de inconsciente, nossa relação com o tempo molda quem somos, como estamos e como entendemos o mundo! Esse processo começa ainda na infância e o ensino de História pode ser um aliado importante. Apresentar às crianças diversas formas de compreender o tempo pode ampliar a percepção de tempo e desenvolver sujeitos que se relacionam de forma mais saudável com o mundo, com as pessoas e com si mesmo. Um sujeito crítico!

 

Para acessar o PDF clique na imagem ou AQUI.

 

Apontamos que a percepção cronológica e linear de tempo se apresenta de forma excludente e eurocêntrica. Que tal expandir nossos conhecimentos sobre o tempo para outros grupos sociais? Esse material do InfoAmazonia e do Instituto Socioambiental nos apresenta um pouco da ideia de tempo para uma etnia dos povos originários do Brasil, perpassando a  astronomia, os ecossistemas climáticos e a espiritualidade.

 

Ciclos Anuais dos povos indígenas do Rio Tiquié – Calendário Indígena

 

E a pergunta que fica é: como fazer isso na prática, na realidade da sala de aula?

Fica ligado (a) no próximo post que vamos te apresentar uma possibilidade prática!

 

Habilidades mobilizadas (BNCC):

EF02HI06 Identificar e organizar, temporalmente, fatos da vida cotidiana, usando noções relacionadas ao tempo (antes, durante, ao mesmo tempo e depois).

EF04HI01 Reconhecer a história como resultado da ação do ser humano no tempo e no espaço, com base na identificação de mudanças e permanências ao longo do tempo.

EF06HI01 Identificar diferentes formas de compreensão da noção de tempo e de periodização dos processos históricos (continuidades e rupturas).

 

*Texto escrito em parceria entre: Equipe Assessoria de História e Professora Daniela Pereira da Silva

 

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram @aprendebrasil / YouTube: Sistema Aprende Brasil

 

Referências:
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em: maio, 2018.
WHITROW, G. J. O Tempo na História. Rio de Janeiro. Editora Zahar, 1993.
FERREIRA, Marieta de Morais; OLIVEIRA, Margarida Maria Dias de. Dicionário de Ensino de História. Editora FGV, 2019.

Deixe o seu comentário!

21/12/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante...

Queridos pais, crianças e professores! Essa postagem é apenas para deixar um recadinho bem especial para todos! Estamos chegando ao final de 2020! Um ano atípico, diferente, o qual tivemos que fazer diferente, nos res...

21/12/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante para crianças de todas as idades

Queridos pais, crianças e professores!

Essa postagem é apenas para deixar um recadinho bem especial para todos!

Estamos chegando ao final de 2020! Um ano atípico, diferente, o qual tivemos que fazer diferente, nos ressignificar, nos reinventar. Passamos por muitas surpresas agradáveis, outras nem tanto, inseguranças, medo, ansiedade, que nos fizeram repensar nossas atitudes, nossos planos, nossas ações, nossos sentimentos e valores!

Foi muito bom estarmos juntos nesse ano de 2020!

Passamos por muitos desafios e a companhia de todos vocês nos motivou a continuar trabalhando para impactar positivamente a educação. Certamente, terminaremos o ano mais fortes, experientes, mais unidos e com o coração transbordando de alegrias por ter realizado o nosso melhor.

Que as incertezas vividas nesse ano se traduzam em aprendizado para a construção de um ensino cada vez mais significativo e de qualidade e que o amor esteja presente no coração de cada um de vocês!

 

Feliz e Abençoado Natal e que 2021 seja repleto de paz, saúde e prosperidade!

Um fraternal abraço!

Equipe de Assessoria da Educação Infantil

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

17/11/2020 - Língua Inglesa

Afinal, o que é lí...

ILF ou ELF O termo ‘inglês como língua franca’, representado pelo acrônimo ILF ou em inglês ELF (English as a lingua franca), refere-se à ideia de que a língua inglesa hoje é mais utilizada em situações que ...

17/11/2020 - Língua Inglesa

Afinal, o que é língua franca?

ILF ou ELF

O termo ‘inglês como língua franca’, representado pelo acrônimo ILF ou em inglês ELF (English as a lingua franca), refere-se à ideia de que a língua inglesa hoje é mais utilizada em situações que envolvem falantes não nativos de inglês do que em situações em que nativos se comunicam. Ou seja, ela não pertence àquela comunidade de falantes específica, nem à corte inglesa. Ela é franca, neutra, pertence a quem dela fizer uso.    A BNCC, documento oficial que estabelece habilidades e competências a serem desenvolvidas na educação básica, enfatiza a importância de se esclarecer aos alunos essa característica do inglês como língua franca.

Língua franca, ensino e identidade

Para o professor de língua inglesa é essencial perceber que a língua é social, que ela revela muito da cultura e dos costumes de cada região em que é falada. A língua revela a identidade de um povo. Ao falar, a pessoa revela de onde vem, país, classe social, cultura, estudo, gênero, profissão. À medida em que cada um se expressa, muitas características típicas da sua cultura são reveladas: comportamentos, gestos, sotaques, escolhas de palavras, todos são fatores reveladores. Se a língua é parte da identidade, essa identidade no contato com uma cultura estrangeira é reafirmada, repensada e reconstruída. Por isso é fundamental perceber a importância do uso e do ensino da língua inglesa como língua franca. O professor ensina uma língua com a qual o aluno irá se comunicar tanto para falar com falantes nativos como para falar com estrangeiros. É comprovado que hoje a língua inglesa apresenta mais falantes não-nativos do que nativos.

Inglês internacional, global ou mundial

H. Douglas Brown há alguns anos utilizou a expressão International English para falar dessa característica de língua a ser utilizada além das fronteiras de onde é falada por nativos. World English é o termo que Ragajopalan adotou para explicar a condição da língua inglesa como língua internacional, que não pertence a nenhuma nação. Segundo esse autor, a língua inglesa deixou de ser monopólio dessa ou daquela nação, ela pertence a quem dela fizer uso. Da mesma forma, David Crystal utiliza o termo Global English para explicar o fato de que essa língua é falada em todo o globo. Todos os três autores, que sao referências para formaçao de professores e estudos de metodologia de língua inglesa, discorrem sobre esse aspecto da língua inglesa, o de ser falada no mundo todo por diferentes comunidades que precisam se comunicar, buscando uma neutralidade de sotaques e gírias para que falantes não nativos cheguem a um denominador comum para a comunicação.   Preparar os alunos para enfrentar essa realidade é fundamental. Lembrar que não existe um único código, uma única maneira de falar inglês, um único sotaque a ser considerado o correto, é essencial.

Qual a variante correta de língua inglesa para o ensino?

Respeitar as diferentes variantes e características culturais é fundamental para a comunicação. Ao considerar a aprendizagem de língua materna, parece natural que existam variações, pois somos um país rico em características singulares que definem cada cultura local e cada variante linguística. Diferenciamos naturalmente um gaúcho de um mineiro ou de um carioca. Na língua estrangeira, especialmente o inglês, essa variação carrega uma amplitude ainda maior, dado o número de falantes nativos e não nativos que existem hoje. Sendo assim, nao existe a variante correta para ensinar em sala de aula, como em qualquer outra língua, mesmo a nossa língua portuguesa, não existe o sotaque perfeito ou o mais correto.  Existem variantes que decorrem do ambiente, da cidade, da cultura, do contexto. Mas nenhuma variante está errada em sua pronúncia ou escolha vocabular.

Nas palavras de Falcão,

“É, então, fundamental que o professor compreenda essa relevância e repasse para o aluno a ideia de que não existe a variante ‘certa’ ou ‘errada’, e que não se deve aprender apenas esta ou aquela variação por ser mais popular, ou menos transmitida pelas mídias sociais.”

Carvalho explica e aconselha:

“A meu ver, esse preconceito em torno das diversidades da língua resulta, em parte, do contato inicial do estudante com o seu instrutor, seja qual for sua tendência linguística. Empatia, segurança, prestatividade e até mesmo um bom timbre de voz influenciam na compreensão, por isso é comum estranhar a pronúncia de um falante que não tenha todas essas qualidades. Desvincule-se de todo preconceito e vício. Não entre nessa de ficar escolhendo com quem gostaria de conversar ou o que ouvir. Na época em que vivemos, marcada pela globalização econômica e cultural, devemos estar preparados para falar (e ouvir) o mundo.”

Somos seres únicos, cheios de singularidades

É importante considerar que cada um de nós possui uma singularidade riquíssima de valores e vivências. E ao nos comunicarmos com outras pessoas, estrangeiros ou não, estamos entrando em contato com essa ampla gama de características, crenças, valores, histórias que vêm junto com a fala, no ato da comunicação. Utilizar uma língua internacional é importante para acessar e entrar em contato com o mundo todo, mas lembrar que essas singularidades estão presentes e devem ser respeitadas é fundamental na comunicação por meio da língua inglesa.  Como afirma Morin, “A humanidade é ao mesmo tempo una e múltipla. Sua riqueza está na diversidade das culturas, mas podemos e devemos nos comunicar dentro da mesma identidade terrestre.” Pertencemos ao mesmo planeta e podemos nos comunicar com o mundo todo por meio dessa língua franca, o inglês, basta que respeitemos e estejamos abertos para compreender toda a bagagem riquíssima que acompanha o contato com o outro.

CARVALHO, Ulysses Britânico ou Americano, qual dos dois devo estudar? Disponível em: http://www.teclasap.com.br/britanico-ou-americano/ Acesso em 19/09/2017.

FALCÃO, Cristiane Vieira; DA SILVA, Ewerton Felix. AS VARIANTES DA LÍNGUA INGLESA EM SALA DE AULA: UMA ABORDAGEM DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. Disponível em http://www.editorarealize.com.br/revistas/eniduepb/trabalhos/Modalidade_6datahora_04_10_2013_21_39_59_idinscrito_1682_8ee55d2ec117a4d0d317dc314b53fa50.pdf            Acesso em 19/09/2017

 

GIMENEZ, T.; CALVO, L. C. S.; EL KADRI, M. S. et al. (2015). Inglês como língua franca: desenvolvimentos recentes. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rbla/v15n3/1984-6398-rbla-15-03-00593.pdf> Acesso em: 20 de abril de 2020.

 

MORIN, Edgar. Os Sete Saberes necessários à Educação do Futuro. 3.ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO,2001.

 

RAJAGOPALAN, Kanavillil. O inglês como língua internacional na prática docente. In: LIMA, Diógenes Cândido de. (org.) Ensino e aprendizagem de Língua Inglesa – conversas com especialistas. São Paulo: Parábola Editoria, 2009.

 

RITCHIE, Harry. It’s time to challenge the notion that there is only one way to speak English. Disponível em: https://www.theguardian.com/books/2013/dec/31/one-way-speak-english-standard-spoken-british-linguistics-chomsky

 

 

Deixe o seu comentário!

15/10/2020 - Língua Inglesa

Happy teachers’...

Hello, dear teachers! Gostaria de dizer que mais do que nunca essa data deve ser comemorada! Esse cenário hoje, entristece um pouco… Salas vazias. Mas também enche de saudade! A aula permanece! A alma de professo...

15/10/2020 - Língua Inglesa

Happy teachers’ day!

Hello, dear teachers!

Gostaria de dizer que mais do que nunca essa data deve ser comemorada!

Esse cenário hoje, entristece um pouco… Salas vazias.

Mas também enche de saudade! A aula permanece! A alma de professor está viva!

Imagine um mundo sem professores. O que seria?

Do ponto de vista de alguns…

“that’s a hard question…

sad,

chaos,

no one to look up to…

scary.”

Assista a esse vídeo, “World Without teachers”, em homenagem aos professores do mundo todo, feito há algum tempo por Jubille Media, um dos meus favoritos.

Tenho muito orgulho dos professores com os quais compartilho ideias, aprendo a cada encontro, surpreendo-me sempre com tamanha criatividade e dedicação. E é bem verdade que nessa pandemia todos nós professores nos reinventamos e conseguimos aprender e reinventar muito mais, ainda que com dificuldades de acesso, com distanciamento e ausências. O impossível foi feito para manter o contato, a aula, as atividades, o incentivo aos alunos no ensino remoto.

Professores inspiram. Podem destruir também, sonhos, alegrias, metas. Escolha instigar e despertar sonhos. Esperança.

Professores são “plantadores de esperança”, para Braulio Bessa.

Para Paulo Freire, o professor quando ensina também aprende: “Quem ensina, aprende ao ensinar. Quem aprende, ensina ao aprender.”

Para Malala, “uma criança, um professor, um livro, uma caneta podem mudar o mundo.”

Para Rubem Alves, o professor é aquele que diz “eis aí o mundo!” e ele tem que ter vontade de ensinar o mundo às crianças.

No Brasil, o dia dos professores é comemorado no dia 15 de outubro, mas existe também o dia 5 de outubro, proclamado pela Unesco o dia mundial do professor em 1994. Muitos países comemoram nessa data, mas existem ainda outras datas a serem celebradas em outros países. Ao trabalhar os meses do ano no 5 ano seria curioso explorar quando essa comemoração acontece ao redor do mundo. Veja alguns exemplos:

Mexico – May 15th

Argentina – September 11th

Greece – January 30th

Turkey – November 24th

South Korea – May 15th

Peru – July 6th

Não poderia deixar essa data passar em branco. Fecho com as palavras de Rubem Alves:

“Ensinar é um exercício de imortalidade. A gente ensina, a gente continua a viver.”

Rubem Alves, um imortal educador, professor de sonhos.  Pra ele, cada um tem um céu diferente, feito dos momentos efêmeros de alegria. Eles passam!

Aproveitem as alegrias de ensinar e aprender. Inspirem! Distribuam e compartilhem alegrias.

Abraços festivos!

Keep calm and carry on with the wonderful work you’re doing! 

Cassiana

Assessoria de Língua Inglesa

Deixe o seu comentário!

17/08/2020 - Geografia

A densidade demográ...

Olá professor! Olá professora! Tudo bem? No post de hoje irei abordar um tema para lá de conhecido. A densidade demográfica. Este índice tem chamado a atenção da saúde pública. Em áreas onde ela é elevada, o ...

17/08/2020 - Geografia

A densidade demográfica e a Pandemia

Olá professor! Olá professora! Tudo bem?

No post de hoje irei abordar um tema para lá de conhecido. A densidade demográfica. Este índice tem chamado a atenção da saúde pública. Em áreas onde ela é elevada, o Coronavírus se espalha tal qual fogo em uma mata. Apesar da Covid-19 não escolher o grupo populacional que irá infectar, o fato é que entre as populações de menor nível socioeconômico, os índices de contaminação são alarmantes. Isso acontece porque para esse grupo, o isolamento social praticamente não existe. Há muitas pessoas que compartilham espaços pequenos e precários, onde o saneamento básico é quase inexistente, permanecem trabalhando, e, por conta disso, utilizando o transporte coletivo.

Isto posto, podemos concluir que seja na América Latina ou em qualquer outra região do planeta, são os grupos mais vulneráveis que sofrem com as adversidades, sejam elas de ordem natural, social ou econômica. Observe o mapa a seguir:

A temática deste artigo pode ser utilizada como gatilho para trabalhar com diferentes conteúdos dos nossos livros, como: desigualdade social, densidade demográfica, crescimento vegetativo, deslocamentos populacionais, redes de transporte e comunicação, políticas públicas. Enfim, são inúmeros assuntos que poderão ser abordados. Além disso, este assunto também está presente na BNCC.  A seguir, o destaque para algumas habilidades que também podem ser trabalhadas:

(EF04GE02) Descrever processos migratórios e suas contribuições para a formação da sociedade brasileira.

(EF05GE03) Identificar as formas e funções das cidades e analisar as mudanças sociais, econômicas e ambientais provocadas pelo seu crescimento.

(EF06GE12) Identificar o consumo dos recursos hídricos e o uso das principais bacias hidrográficas no Brasil e no mundo, enfatizando as transformações nos ambientes urbanos.

(EF07GE04) Analisar a distribuição territorial da população brasileira, considerando a diversidade étnico-cultural (indígena, africana, europeia e asiática), assim como aspectos de renda, sexo e idade nas regiões brasileiras.

(EF08GE03) Analisar aspectos representativos da dinâmica demográfica, considerando características da população (perfil etário, crescimento vegetativo e mobilidade espacial).

(EF09GE15) Comparar e classificar diferentes regiões do mundo com base em informações populacionais, econômicas e socioambientais representadas em mapas temáticos e com diferentes projeções cartográficas.

O que achou deste post? Deixe seu comentário.

Equipe Assessoria de Geografia

Sempre que precisar entre em contato conosco: geografia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Grande abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria de Geografia

Referências:
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em:  25 Março de 2020.
GALINDO, J. e ARROYO, L. Os mapas da pandemia revelam as desigualdades na América Latina. Artigo disponível em <https://brasil.elpais.com/internacional/2020-08-04/os-mapas-da-pandemia-revelam-as-desigualdades-na-america-latina.html#?sma=newsletter_brasil_diaria20200805> Acesso em 13 Ago. 2020

 

Deixe o seu comentário!

  • A TEMÁTICA ABORDADA É MUITO INTERESSANTE. PRECISAMOS MESMO TRABALHAR ESSE TEMAS PARA QUE O ALUNO PERCEBA QUE AS DIFERENÇAS SOCIAIS EM NOSSA SOCIEDADE. QUANDO ELE SABE O QUANTO É PREJUDICADO POR CAUSA DA FALTA DE POLÍTICAS PÚBLICAS, DÁ A ELE A OPORTUNIDADE DE LUTAR POR UM MUNDO MELHOR.

    • Olá Maria Ângela,
      De fato. Temos que tentar desenvolver em nossos alunos uma consciência crítica, aliás essa é uma das competências gerais da BNCC, desenvolver o pensamento científico, crítico e criativo.