Últimas Publicações:

18/03/2021 - Ciências

O que uma ostra e um...

Olá a todos(as), tudo bem? Assim como nós que enfrentamos há mais de um ano o isolamento social e a quebra na regularidade das nossas atividades cotidianas, as crianças também têm sofrido com a falta das aulas pres...

18/03/2021 - Ciências

O que uma ostra e uma borboleta podem nos dizer sobre a saúde mental das crianças no isolamento?

Olá a todos(as), tudo bem?

Assim como nós que enfrentamos há mais de um ano o isolamento social e a quebra na regularidade das nossas atividades cotidianas, as crianças também têm sofrido com a falta das aulas presenciais, interação com os colegas e professores, e demais mudanças causadas em sua rotina pela pandemia da Covid-19.

Diversas pesquisas e estudos que tem sido realizadas apontam alterações no nível de ansiedade, sintomas de depressão, aumento da timidez, agressividade, irritação, impaciência e insônia, como alguns dos transtornos mentais que podem ser causados e/ou agravados pelo longo período de isolamento ou contato social reduzido. Bem como, infelizmente, um aumento dos casos de violência doméstica.

Como educadores sabemos da importância das relações sociais desenvolvidas no ambiente escolar, do quanto a interação entre as crianças é importante para o aprendizado e o seu desenvolvimento cognitivo. Mas, o que pode ser feito para auxiliar nossos alunos neste momento difícil pelo qual passamos? Você já ouviu falar na sigla EMDR?

A EMDR é uma terapia, fundamentada na Psicologia que busca trabalhar as dificuldades que enfrentamos quando expostos a estímulos/ações negativos ao redor, traduzida do inglês significa algo como Dessensibilização e reprocessamento do movimento ocular.

“Quando coisas ruins acontecem, o cérebro tem dificuldade em juntar todas as peças e, como resultado, coisas que as pessoas dizem ou fazem ou coisas que as crianças veem, ouvem, cheiram ou tocam podem trazer à tona as memórias ruins, os pensamentos confusos, sentimentos e sensações corporais ligados a essas coisas ruins. O EMDR ajuda o cérebro a juntar todas as peças para que as coisas ruins possam nos deixar e as coisas boas ou as coisas que aprendemos com elas podem ficar para que fiquemos mais fortes. Então, o cérebro pode mastigar e digerir todos os sentimentos e pensamentos confusos, bem como os sentimentos ruins que possamos ter no corpo.” (Ana Gomez)

A terapeuta Ana Gomez, propõe então, um trabalho para ser desenvolvido com as crianças, em virtude deste período de isolamento, por meio da leitura e desenvolvimento de atividades de um livro infantil intitulado “A história da Ostra e da Borboleta: O Coronavírus e eu.”.    

Este livro escrito por Ana Gomez foi traduzido o português e outros 19 idiomas e faz parte de um dos materiais que foram desenvolvidos por meio da força tarefa mundiais para cuidar de crianças nesse período de enfrentamento ao Coronavírus. A pedido da autora, o livro não deve ser vendido nem foi impresso por nenhuma editora, está disponível em formato digital e pode ser baixado de forma gratuita diretamente no site da autora. O objetivo é fazer a divulgação da obra junto a escolas para que possa fazer a diferença no enfrentamento do momento difícil pelo qual estamos passando, especialmente muitas crianças que enfrentam dificuldades em casa como violência doméstica, perdas familiares, dificuldades econômicas entre outras que estão sendo evidenciadas neste tempo.

Que tal aproveitar o momento para ajudar nossos alunos com outras dificuldades além dos conteúdos escolares?   Para saber mais sobre EMDR, baixar o livro indicado e/ou conhecer mais sobre o trabalho da autora, acesse o site pessoal da terapeuta Ana Gomez e conheça suas outras obras em https://www.anagomez.org/

Até mais!

Assessoria de Ciências da Natureza.

Deixe o seu comentário!

11/02/2021 - Ciências

11 de fevereiro: Dia...

Olá professores(as)! Tudo bem? Entre 10 e 11 de fevereiro de 2015, a ONU e a RASIT (Royal Academy of Science International), uma ONG que promove a educação de jovens para a Ciência realizaram um fórum sobre desenvol...

11/02/2021 - Ciências

11 de fevereiro: Dia Internacional das mulheres na Ciência.

Olá professores(as)!

Tudo bem?

Entre 10 e 11 de fevereiro de 2015, a ONU e a RASIT (Royal Academy of Science International), uma ONG que promove a educação de jovens para a Ciência realizaram um fórum sobre desenvolvimento e saúde feminina na sede da ONU em Nova York. Durante o evento foi criada uma declaração alertando a comunidade científica e a população em geral sobre as desigualdades que afetam as cientistas em relação a sua produção, oportunidades e financiamento para pesquisa, mercado de trabalho, e salário em relação aos cientistas homens que desempenham as mesmas funções.

Desde então, o dia 11 de fevereiro, passou a ser conhecido como “Dia Internacional das mulheres na Ciência”, data na qual estes e outros temas são lembrados e debatidos para que esta desigualdade de gênero não se perpetue e possa ser denunciada, buscando sempre a equidade entre os pesquisadores e as pesquisadoras que fazem com que a Ciência evolua e atenda a um número cada vez maior de pessoas.

Para comemorar esta data, escolhi indicar três livros que abordam o papel das mulheres na Ciência e a importância das suas pesquisas para o desenvolvimento da sociedade, abaixo seguem breves sinopses sobre os livros indicados.

“As Cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo” escrito e ilustrado por Rachel Ignotofsky é uma maneira didática e divertida para conhecer um pouco mais sobre algumas mulheres que contribuíram de alguma forma para a ciência, sendo retratadas desde químicas e físicas até astronautas, paleontólogas e muitas outras cientistas das mais diversas áreas.

Além disso, o livro conta com lindas ilustrações, que acabam por tornar a leitura mais dinâmica e interessante, principalmente para as crianças.

O livro traz também infográficos que mostram a variedade dos equipamentos de laboratório, índices de mulheres que trabalham com ciência atualmente e um glossário de termos científicos.

Outro fator de grande importância é que mostrar as mulheres em papéis tão importantes e envolvendo a área da Ciência, que sempre foi dominada pelos homens, acaba incentivando e mostrando para as meninas que elas podem e devem ocupar todos os lugares que tiverem vontade e curiosidade.

O livro “Extraordinárias – mulheres que revolucionaram o Brasil”, escrito por Aryane Cararo e Duda Porto de Souza, apresenta além das cientistas brasileiras, nomes da arte, política, moda, esportes, entre outras profissões que foram revolucionárias em suas atividades e assim contribuíram para o desenvolvimento nacional. O texto apresenta a grande diversidade feminina brasileira, sem levar em conta etnias e religiões, o que nem sempre encontramos em outras obras, importante para mostrar a força feminina na luta pela igualdade e na defesa dos seus ideais.

Por fim, indico “A visita de Marie Curie ao Brasil”, dos autores João Pedro Braga e Cássius Klay Nascimento, publicação da Editora Livraria da Física, livro muito detalhado, os autores utilizam arquivos do noticiário da época, em um trabalho de pesquisa histórica e científica bastante rigorosa para descrever o período entre os dias 15 de julho e 28 de agosto de 1926 em que Marie Curie visita o Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. Além de relatar a importância desta visita para a Ciência brasileira o livro traz uma mini biografia da ganhadora de dois prêmios Nobel.

Espero que gostem das indicações e explorem todas as possibilidades de abordagem dos conteúdos indicados nas suas  aulas de Ciências, agradeço ainda a @livrosvorazes pelas dicas e ajuda na sinopse de As Cientistas.

Bom retorno e viva a Ciência!

Marco Aurelio P. Bueno

Assessoria de Ciências da Natureza.

 

 

Deixe o seu comentário!

04/11/2020 - Língua Portuguesa

Ideias para explorar...

Professores, como vocês estão? Hoje vamos trazer uma sugestão para trabalhar com Literatura – mais especificamente, para pensar como envolver nossos alunos na leitura de livros de Literatura, como usar estratég...

04/11/2020 - Língua Portuguesa

Ideias para explorar a Literatura

Professores, como vocês estão? Hoje vamos trazer uma sugestão para trabalhar com Literatura – mais especificamente, para pensar como envolver nossos alunos na leitura de livros de Literatura, como usar estratégias diversificadas de leitura e, também, o que mais pode ser explorado a partir da leitura de um livro.

Para isso, pensamos em algumas etapas importantes:

  • Pré-Leitura: Com o objetivo de motivar, aguçar a curiosidade, despertar o interesse do aluno.
  • Leitura: Com estratégias diferenciadas e diversificadas para envolver o aluno na leitura.
  • Pós-leitura: Para debater a compreensão, aprofundar, ampliar e construir outras relações.

E juntamos algumas ideias para cada uma dessas etapas em um documento único (para ficar mais fácil para vocês poderem baixar e guardar este material). Clique aqui para baixar o arquivo com as sugestões: https://drive.google.com/file/d/1xP9Ue9hVtIzxz0p33OZOCtqkF1sxz-6M/view?usp=sharing

 

As ideias podem ser aproveitadas (e adaptadas) para diversos livros de Literatura e para diferentes faixas etárias. Deem uma olhada com atenção e divirtam-se!

Depois, aproveitem e deixem aqui seus comentários, inclusive compartilhando mais sugestões possíveis para envolver os alunos no mundo da leitura literária!

Até breve!

Assessoria de Língua Portuguesa

linguaportuguesa@aprendebrasil.com.br

Deixe o seu comentário!

07/09/2020 - Língua Inglesa

Station Rotation, o ...

Hello, everybody! Você já ouviu falar de Station Rotation ou Rotação por Estações? Essa é uma metodologia ativa, uma forma de promover a interação em sala de aula e desenvolver ao mesmo tempo a autonomia do alun...

07/09/2020 - Língua Inglesa

Station Rotation, o que é? Sugestão com tema Fairy Tales

Hello, everybody!

Você já ouviu falar de Station Rotation ou Rotação por Estações?

Essa é uma metodologia ativa, uma forma de promover a interação em sala de aula e desenvolver ao mesmo tempo a autonomia do aluno e o trabalho em grupo. Com essa estratégia, tarefas são propostas para que sejam desenvolvidas pelas equipes em um tempo curto, em torno de 10 a 15 minutos. Então o professor planeja 4 atividades e distribui em 4 espaços pelos quais as equipes irão transitar. Dado o sinal, a equipe tem 10 minutos para realizar a tarefa proposta. Ao término do tempo, as equipes rotacionam, realizando a próxima atividade. E assim continuam até percorrer todo o percurso.

Essa estratégia dinamiza a aula, lembrando um pouco a ideia dos jogos online, nas quais o aluno precisa cumprir uma tarefa em um determinado tempo para passar para a próxima fase.  Logo, estamos gamificando a aula, quando apresentamos aos alunos essa proposta.

Na Formação Digital do Sistema de Ensino Aprende Brasil, no curso A BNCC está aí. And now What? Caminhos para o Ensino de Língua Inglesa, trabalhamos com muitos professores estudando e desenvolvendo essa proposta. Apresento hoje um exemplo para o 4 ano.

A professora Karoline Aparecida de Oliveira Ribas do Município de São Lourenço do Oeste, SC, desenvolveu o tema FAIRY TALES, relacionado ao volume 2 do 4 ano.

Em primeiro lugar, as estações foram divididas por cores YELLOW, BLUE, RED, PINK. Vale lembrar que é muito importante que exista um momento de apresentação das atividades, antes que as equipes iniciem o percurso de rotação.

Os objetivos dessa atividade são

  1. Apresentar aos alunos o vocabulário referente às características físicas das pessoas ou de alguns lugares que possam aparecer como cenários de contos de fadas.
  2. Trabalhar alguns contos de fadas em língua inglesa.
  3. Promover a interação social em um ambiente seguro e propício ao desenvolvimento de pequenos diálogos e brincadeiras.

 

O material necessário para a atividade é:

Livro Didático Aprende Brasil – Volume 2 – Língua Inglesa, 4 mesas grandes ou médias, projetor, notebook da professora, alguns livros com contos de fadas em língua inglesa, tablets com livros virtuais e interativos, papel a4, lápis de cor, fantasias diversas, caixa de som.

Introdução: Juntar todos os alunos e explicar a eles um panorama geral da atividade, apresentar o tema Fairy Tales e orientar para que eles desenvolvam suas atividades em grupos de quatro integrantes e que depois os grupos circulem pelas estações (que serão divididas por cores) para que todos possam ter as mesmas oportunidades. Nesse momento utilizaremos o livro didático Aprende Brasil volume 2, na parte de Língua Inglesa páginas 2 e 3.

 

The Yellow Station – Mesa com Livros e Tablets   

tarefa: cards / reading / writing

Na estação amarela ocorrerá a leitura dos contos em inglês, talvez eles não consigam entender tudo de início, mas estarão se familiarizando com a língua por meio das palavras e imagens, os alunos poderão escolher os contos de fadas de sua preferência dentre os que estarão disponíveis.

SUGESTÃO: cards      

  

É interessante incluir os contos citados no livro didático, Sleeping Beauty and The Three Little Pigs, acrescentando 2 ou 3, como Jack and the BeanStalk, Snow White, Red Riding Hood, Cinderella. Os alunos devem completar o card com informações sobre o conto (nome, quem, o que, onde, gosto ou não e porquê).

The Blue Station – Fantasias e brincadeiras

tarefa: selfies / game / vocabulary

Na estação azul os alunos encontrarão flashcards com as características das personagens, ou seja (ugly, strong, beautiful, big, weak, bad, etc…) eles escolhem uma fantasia para vestir e poderão brincam com jogo da memória, no qual encontram personagem, nome e adjetivo correspondente.

SUGESTÃO:      selfies

 Os alunos deverão tirar duas selfies com a fantasia e o card com o adjetivo como proposta de tarefa a cumprir na estação. Ao final do percurso, ou na próxima aula, expor para os alunos as selfies em um mural, virtual ou presencial.

The Red Station – Montagem do Livrinho do Material de Apoio

Tarefa: booklet / material de apoio / listening

Na estação vermelha os alunos assistirão ao vídeo em que a professora explica como montar o livrinho “The Three Little Pigs” e também conta a historinha, depois eles mesmos montarão seus próprios livrinhos assistindo ao vídeo novamente e pausando se necessário.

The Pink Station – Teatro

Tarefa: role-play / vídeo / speaking

Na estação rosa os alunos receberão um personagem por meio de um sorteio, eles colocarão a mão em um saco ou caixa de tnt e retirarão um personagem que deverão interpretar na historinha The Three Little Pigs, eles poderão praticar as falas que estarão escritas e também gravadas.

SUGESTÃO: vídeos

Os alunos irão filmar o teatro do qual farão parte. Para envio em um grupo de what’s criado para essa atividade. Ou fica gravado no celular do professor e todos assistem aos vídeos na próxima aula. Pode ser feita votação para a melhor performance.

Por meio dessa estratégia conseguimos envolver os alunos em atividades desafiadoras e divertidas, que trabalham com outras linguagens como visual e digital, performance, trabalho em grupo, criatividade, enfim.

Vale à pena arriscar e tornar a aula mais dinâmica! A rotação por estações permite que os alunos se envolvam nas atividades de maneira ativa, criativa, fazendo escolhas.

Try it! Create! Enjoy!

Cassiana Beghetto

Assessoria de Língua Inglesa

Deixe o seu comentário!

  • Dear Karoline, the activity is very interesting and meaningful! Congratulations! I’m proud of you.
    Would you like to present it in our GT in the coming webseminar “Língua, Literatura e Ensino” of PPGL-UTFPR. It will be on October 5th to 9th? Hope you like the idea and contact us.
    Again, congratualtions!

20/08/2020 - História

Interpretando Docume...

Olá Professoras e Professores   Hoje queremos compartilhar uma dica de fonte histórica para usarmos em sala de aula, especificamente para professores do Ensino Fundamental Anos Finais. Como todo professor de hist...

20/08/2020 - História

Interpretando Documentos: Povos Bárbaros

Olá Professoras e Professores

 

Hoje queremos compartilhar uma dica de fonte histórica para usarmos em sala de aula, especificamente para professores do Ensino Fundamental Anos Finais.

Como todo professor de história sabe as fontes são fundamentais para o desenvolvimento do conhecimento históricos. É por isso que no seu material didático existe a seção Interpretando Documentos.

Nessa seção, são contempladas atividades de interpretação de documentos, como imagens, mapas, fotografias, obras de arte, charges, histórias em quadrinhos, caricaturas, textos jornalísticos e literários, etc., além de outros documentos relacionados aos conteúdos estudados.

Livro de História, Volume 2, 6o. ano, página 30.

 

Pensando no conteúdo estudado no Livro de História, Volume 2, do 6º. ano compartilhamos a obra historiador romano Tácito, que viveu entre o primeiro e o segundo século.

 

Clique no ícone do PDF para acessar o documento:

 

 

Você pode compartilhar este documento com seus alunos e desenvolver as mais diversas atividades de interpretação.

Esse documento é uma dica do professor Rodrigo Pereira de Matos, da cidade de Torres-RS, ele compartilhou conosco essa fonte primária para o estudo dos povos bárbaros germânicos.

 

Você também quer compartilhar materiais e experiências conosco? Entre em contato.

 

 

Equipe Assessoria de História

 

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram @aprendebrasil / YouTube: Sistema Aprende Brasil

Deixe o seu comentário!

10/08/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante...

Olá, familiares e professores! Espero que todos estejam bem em seus lares! Como todas as outras postagens, hoje vamos abordar mais um assunto bacana: contação de histórias para crianças de todas as idades. Vocês sa...

10/08/2020 - Educação Infantil

Quarentena brincante para crianças de todas as idades

Olá, familiares e professores!

Espero que todos estejam bem em seus lares!

Como todas as outras postagens, hoje vamos abordar mais um assunto bacana: contação de histórias para crianças de todas as idades.

Vocês sabiam que as histórias têm um papel importante e são fundamentais na formação educacional da criança? É um momento mágico, no qual a criança terá a oportunidade de vivenciar e absorver situações que possa permitir a ela identificar-se com aquele instante, além de contribuir para o desenvolvimento de sua linguagem.

Antigamente, as pessoas demonstravam suas habilidades de comunicação e fala, contando histórias. Entre os povos ancestrais, essas histórias proporcionavam momentos de afeto, descobertas, aprendizagem, união, confraternização e trocas de experiências. A contação de histórias também ajudava os povos antigos a passarem o tempo e a vencerem a solidão, a quietude, a tristeza, o tédio, contar novidades e compartilhar alegrias. E tudo isso, era estimulante e enriquecedor porque despertava ainda mais a vontade e a motivação de quem escutava, a querer ouvir mais e mais e a contar fatos e histórias também. Muitas pessoas se reuniam em volta da mesa, no jardim de suas casas, nas praças e calçadas para contar histórias, casos e situações vivenciadas e todos adoravam ouvir e aprender.

Com o passar dos tempos e por meio desses estímulos gerados pela contação de histórias, foi observado que com elas, crianças, jovens e adultos podem adquirir valores morais e sociais, e ampliar o conhecimento cultural. Nesse contexto percebe-se claramente a importância e o significado das histórias na prática familiar, social e escolar.

Essa prática tão bela, instigante e provocante,  irá contribuir para que a criança amplie seu  gosto pela leitura e pela linguagem, a desenvolver ainda mais a imaginação, a criatividade e o faz de conta tão importante na infância, além de ser excelente ferramenta para auxiliar a criança na observação, reflexão e memória, despertando nela o lado lúdico, característica fundamental para o seu pleno desenvolvimento.

Dessa forma, aproveitando a chegada da estação mais fria do ano, que tal pegar um cobertor para se aquecer e promover seções de contação de histórias para as crianças? É uma dica muito legal para instigar o pensamento, a imaginação, o faz de conta, a criatividade e ampliar a oralidade.

As histórias podem ser contadas em vários espaços diferenciados:  na sala sobre o tapete ou no sofá, no jardim, na cama antes de dormir , durante o banho, na rede, fazendo um piquenique na área externa de sua residência, enfim escolha o espaço e o momento que achar necessário e propício para  tornar a contação bem agradável, divertida e proveitosa.

Segundo Ferreira (2011, p.78), os momentos de contar histórias devem ser mágicos como as histórias. Ouvir uma história é muito envolvente e o que mais importa é que as crianças estejam acomodadas confortavelmente, sentadas no chão em tapetes ou almofadas. O espaço pode ser simples, mas o ideal é que seja reservado especialmente para a biblioteca da sala e para a contação de histórias. Veja algumas dicas a seguir.

  • Você pode ficar em pé ou sentado entre as crianças organizadas em um semicírculo.
  • Procure dramatizar a história. Faça entonações diferentes para cada personagem, crie efeitos sonoros, sempre respeitando a ordem dos acontecimentos.
  • Se desejar, você pode usar fantoches, dedoches, fantasias, imagens soltas, bonecos, músicas e outros recursos como acessórios, de modo a dar mais dinamicidade e vivacidade ao texto.
  • Se você for ler um livro, é importante mostrar às crianças cada página, para que elas possam ver as ilustrações, que vão somar-se aos elementos que ela imaginou.
  • Se você for contar uma história sem o apoio de um livro, é fundamental conhecer bem o enredo, a fim de poder contar de maneira fluente e com suas próprias palavras, utilizando-se de uma linguagem simples.
  • Ao final da sessão, pergunte para as crianças o que elas acharam da história, o que sentiram, se gostaram ou não do final e que outro desfecho elas dariam para a narrativa.

Analisando mais atentamente a prática de contar histórias, seja em casa, seja na escola, é fácil percebermos o quanto isso pode contribuir para o desenvolvimento da criança, com ganhos que perpassam várias áreas, como o cognitivo, o afetivo e o social.

Os educadores, quando praticam a contação ou a “hora” da história (como muitos falam) com suas crianças, são capazes de transformar as vidas delas dentro e fora da escola. Assim é com os pais, avós e outro familiar adulto, que podem ensinar e estreitar os relacionamentos com suas crianças por meio da contação de histórias.

Uma boa história, aquela que encanta, que atrai, que diverte e faz “ viajar” e ir além da imaginação auxilia muito no desenvolvimento em todas as etapas da vida da criança, contribuindo no seu aprendizado, na fala, no raciocínio e na criatividade. A grande mágica é que até mesmo nós adultos somos transformados pelas histórias que ouvimos.

Certamente, além das crianças, papai, mamãe, avós, professores, enfim todos que estiverem participando desse momento irão interagir, aproveitar, se divertir, imaginar e sonhar!

Você que ainda não fez isso, que tal fazer esse exercício e contar alguma história para alguém? Leia, conte, constate e depois nos conte como foi essa experiência incrível e linda que vivenciou!

 

Para saber mais algumas dicas bem bacanas para contar histórias para as crianças acesse  o link https://youtu.be/NmRF3DoVd_U e veja o que a Fafá – Contadora de histórias sugere. Você irá se encantar!

 

Referência:

FERREIRA, L.C.S. Educação na Primeira Infância. Editora Opet. Curitiba, 2011.

Forte abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria Educação Infantil

Não hesitem, entrem sempre em contato conosco pelo e-mail edinfantil@aprendebrasil.com.br

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

 

Deixe o seu comentário!

  • Boa tarde. Ler é sempre bom para todas as idades. Para as crianças é algo maravilhoso, pode ser na caminha, na cabana, no sofá….em qualquer lugar é sempre muito bom.
    Boa tarde
    Aparecida

    • Olá Aparecida, sim leitura é muito bom, além de importantíssimo para desenvolver bons hábitos de leitura desde a creche. Logo teremos mais novidades. Abraço.

  • [* O plugin Shield marcou este comentário como “Pending Moderation”. Motivo: Filtro humano de spam encontrado “excelent” em “comment_content” *]
    Contar história é um momento que pode influenciar a vida da criança para sempre. Excelente colocações.

    • Olá Maria JOsé, obrigada pela sua opinião, fazemos sempre assuntos que são de interesse para professores de Educação infantil. Abraço e fique de olho nas novidades.

    • Ivone, concordamos com você, momento mágico, não é? E as crianças amam. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

    • Concordamos com você Fabiany, e as crianças amam. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • Quando criança adorávamos brincar de casinha faz de conta, cada um era um personagem do sítio do pica pau amarelo. Era muito bom . Turminha de coleguinhas de história. Tempos bons!

    • Erni, recordar é viver e se foram momentos bons, vamos fazer para nossos pequenos. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • Realmente a contação de histórias é muito importante para perpetuar a ligação familiar quando ocorre no contexto familiar. A contação de história foi muito importante durante minha infância. No final da tarde mamãe e papai se sentavam juntamente comigo e meus irmãos e contavam várias histórias para nós. Aquele momento era mágico para nós. ficávamos com os olhos vidrados e os ouvidos inclinados querendo saber o que ia acontecer e a cada dia eles mudavam a história e assim esperávamos por uma outra na próxima tarde. E na Educação Infantil penso ser um momento de grande aprendizagem para a criança, uma vez que ela também participa do processo de conto e reconto de histórias, desenvolvendo assim a sua capacidade imaginativa, curiosidade e imaginação, se colocando como protagonista do processo de contação de história. É realmente um momento mágico em que ela (criança) pode se transformar no personagem preferido e mudar o rumo da história com sua imaginação.

    • Maria José, obrigada pela sua contribuição, que delícia recordar, são nossas memórias afetivas. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • Outra história emocionante é aquela que a família pode contar através do álbum de família.

    • Landrea, isso mesmo, as memórias afetivas ganham força, e sua sugestão pode ser um excelente recurso para esse momento de ensino remoto. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

    • Puxa Cassia, mas se estou recebendo esse, como pode não chegar seus comentários? Aparece alguma mensagem? Conte-nos por favor. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • Adoramos ler histórias em família, principalmente na hora de dormir. Finalizamos com músicas com sons da natureza!!!

    • Flávia, que delícia, isso vai construindo a memória afetiva. Parabéns. Abraço e fique de olho nas novidades que vem por aí.

  • [* O plugin Shield marcou este comentário como “Pending Moderation”. Motivo: Filtro humano de spam encontrado “ambien” em “comment_content” *]
    Contando histórias para as crianças desenvolvemos a imaginação, a oralidade e a interação com o ambiente
    Muito bom contar histórias.

    • Ana Emília!
      Além de desenvolver a imaginação, a oralidade e a interação, os momentos das histórias aguçam muito a curiosidade, a descoberta e trabalha bastante também com o faz de conta. Todos esses pontos mencionados são fundamentais e que contribuirão de modo significativo com o desenvolvimento integral das nossas crianças.
      Abraço,
      Equipe Assessoria da Educação Infantil

    • Sim, Ana Emília!
      Além de desenvolver a imaginação, a oralidade e a interação com o ambiente conforme você comentou, a contação de histórias e ou a leitura de histórias desperta ainda mais a curiosidade das crianças, além de fazer do “faz de conta ” momentos repletos de aprendizagem e de importantes descobertas.
      Abraços,
      Assessoria Pedagógica da Educação Infantil do Aprende Brasil

  • Uma das vezes contamos numa cabana de lençóis e mesas e pipoca…com os netos…

    • Que bacana, Aparecida!
      Eu, quando pequena, adorava fazer cabanas para brincar dentro dela. Meus irmãos, primos nos deliciávamos contando histórias e fazendo outras artes.
      Atualmente, meus pais que são avós fazem isso com os netos e eles adoram!
      Abraço,
      Equipe de Assessoria da Educação Infantil

    • E como isso é bom, não é mesmo Aparecida!
      Continue proporcionando momentos assim para as crianças!
      Além de contribuir com o desenvolvimento integral das crianças, serão sempre momentos de alegria, satisfação, diversão e afeto entre todos!
      Abraço,
      Assessoria Pedagógica da Educação Infantil do Aprende Brasil

  • A alfabetização na educação infantil precisa através do brincar, com interação da criança com o mundo onde vive, com historias lúdicas mágicas com muita interação social.

    • Landrea!
      O trabalho da Educação Infantil deve contemplar as interações e brincadeiras, eixos estruturantes importantíssimos que devem nortear nossa prática pedagógica!
      É por meio do brincar, das atividades lúdicas, dos jogos e das interações que nas crianças da Educação Infantil irão aprender de forma mais prazerosa e significativa.
      Tenha um bom dia!
      Equipe de Assessoria da Educação Infantil do Aprende Brasil.

    • Leandra!
      Seu comentário foi respondido logo acima!
      Obrigada,
      Equipe de Assessoria da Educação Infantil.

    • Sim, Landrea!
      Atividades lúdicas na Educação Infantil é de extrema importância e contribui muito com a aprendizagem das crianças. A própria BNCC nos aponta os eixos estruturantes que devem permear o trabalho na Educação Infantil – “Interações e Brincadeiras”. Por meio das brincadeiras e da ludicidade a criança, experimenta, investiga, descobre, aprende e se desenvolve integralmente!
      Abraço,
      Assessoria Pedagógica da Educação Infantil do Aprende Brasil