Últimas Publicações:

30/09/2020 - Língua Portuguesa

Gênero jornalístic...

Olá, professores(as). Como vocês estão? A dica de hoje é uma atividade para expandir o estudo do gênero textual reportagem. Vamos lá! Para estudar as características, finalidades e estrutura desse gênero jornalí...

30/09/2020 - Língua Portuguesa

Gênero jornalístico: reportagem.

Olá, professores(as).
Como vocês estão?

A dica de hoje é uma atividade para expandir o estudo do gênero textual reportagem.

Vamos lá!

Para estudar as características, finalidades e estrutura desse gênero jornalístico, solicite aos alunos que pesquisem em sites, jornais ou revistas uma reportagem bem antiga, mas que, atualmente, ainda possa despertar o interesse dos leitores.

O objetivo é que eles percebam que, diferentemente da notícia, a reportagem não está, necessariamente, relacionada a um fato recente, mas, mesmo assim, pode trazer muitas informações interessantes.

Peça aos alunos que façam um levantamento sobre o tema da reportagem pesquisada e que organizem essas informações para compartilhar com restante da turma. Você pode usar algumas perguntas para nortear essa prática. Por exemplo:

– Por que essa reportagem foi publicada?

– Qual é a relevância desse assunto para a sociedade?

– As pessoas ainda podem usar essas informações como fonte de pesquisa? Por quê?

Depois, peça aos alunos que busquem reportagens atuais sobre o mesmo tema e analisem:

– Alguma coisa mudou em relação a isso?

– Daqui a dez anos, é possível que essa reportagem ainda tenha relevância social? Por quê?

Para discutir essas questões e promover um diálogo interessante com a sua turma, você pode propor uma apresentação para desenvolver a prática da oralidade. No caso do ensino remoto, você pode organizar durante uma aula on-line, pode também propor a gravação de um vídeo ou apenas um arquivo de voz.

Depois, você pode selecionar algumas reportagens com conteúdos desatualizados e mostrar aos alunos que, embora o assunto não apresente tanta relevância para o contexto atual, os dados ainda podem ser usados como referências de estudo. Se for possível, demonstre isso por meio de citações e embasamentos teóricos usados em trabalhos atuais.

Você também pode criar outras atividades a partir dessa prática: estudar os diferentes suportes de veiculação das reportagens; realizar análises entre reportagens jornalísticas orais e escritas; inserir outros conteúdos para ampliar o estudo desse gênero, como advérbios ou adjuntos adverbiais, por exemplo. Enfim, você pode criar e adaptar de acordo com as suas necessidades!

Essa foi a dica de hoje.
Você já realizou uma prática como essa?

Comente aqui.
Até breve!

Assessoria de Língua Portuguesa

linguaportuguesa@aprendebrasil.com.br

Deixe o seu comentário!

18/09/2020 - Língua Portuguesa

Regência nominal em...

Olá, professores(as). Como vocês estão? Hoje vamos dar uma dica que pode ser usada para trabalhar o conteúdo de regência nominal. Quando ensinamos a relação entre “regente” e “regido” é importante demarca...

18/09/2020 - Língua Portuguesa

Regência nominal em prática

Olá, professores(as).
Como vocês estão?

Hoje vamos dar uma dica que pode ser usada para trabalhar o conteúdo de regência nominal.

Quando ensinamos a relação entre “regente” e “regido” é importante demarcarmos a dependência que existe entre os termos. Para isso, não basta realizar o estudo isolado dos diferentes casos, é preciso criar oportunidades para que os alunos possam refletir sobre esses usos, ampliando, assim, a percepção de que há dependência do nome em relação aos seu complemento.

Como ampliar essa percepção?

– Selecione títulos ou trechos de reportagens, mas lembre-se de deixar as frases incompletas. Exemplo:

“Aluno relata que teve dificuldade…”
“O estudo é referente…”
“Especialistas ainda têm dúvidas…”

– Mostre esses trechos aos alunos e solicite que levantem hipóteses sobre o desfecho dessas reportagens;

– Cada um deverá construir uma lógica para poder completar essas frases;

– Depois, todos deverão explicar quais foram as hipóteses que criaram para cada desfecho;

– Nesse momento, você já pode verificar como foi que os alunos relacionaram intuitivamente os nomes (dificuldade, referente e dúvidas) aos seus complementos;

Professor (a), sabemos que grande parte das regras gramaticais são internalizadas pelos falantes, que, muitas vezes, nem as percebem nos usos espontâneos que fazem da língua. Isso quer dizer que, nessa atividade, os alunos podem até ter usado corretamente as regras de regência nominal sem se dar conta de que sabiam fazer isso naturalmente. Por isso, depois que todos comentarem suas hipóteses, mostre isso a eles, ressaltando as frases da seguinte maneira:

“Aluno relata que teve dificuldade…” – Em quê? Para quê? Com quê?
“O estudo é referente…” – A quê?
“Especialistas ainda têm dúvidas…” –  Sobre o quê?

– Se tiverem acertado o uso das preposições, mostre a eles que souberam aplicar corretamente as regras de regência nominal. Caso tenham cometido algum desvio, explique que é sempre importante pesquisar essa relação de dependência entre os termos durante a escrita de um texto.

Essa atividade é simples, mas muito eficiente. Ela serve também para incentivar os alunos a refletirem mais sobre a língua e os usos reais que fazem dela.

Se desejar, essa prática também pode ser ampliada para o estudo de outros conteúdos, por exemplo, o de transitividade verbal. Outra sugestão é usar diferentes gêneros textuais como: títulos de filmes, mensagens de texto, e-mails etc.

O mais importante é praticar e refletir sobre a língua!

Gostou dessa dica?
Comente aqui.

Até breve!
Assessoria de Língua Portuguesa
linguaportuguesa@aprendebrasil.com.br

Deixe o seu comentário!

26/08/2020 - Língua Portuguesa

Vamos brincar e apre...

Olá, professor, olá professora! Tudo bem? Esperamos encontrá-lo(la) bem e em segurança! Hoje nossa dica é para trabalhar com os pequenos, especialmente no momento da alfabetização, nesse momento de aulas remotas (...

26/08/2020 - Língua Portuguesa

Vamos brincar e aprender? Gêneros textuais: bilhete e convite

Olá, professor, olá professora! Tudo bem? Esperamos encontrá-lo(la) bem e em segurança!

Hoje nossa dica é para trabalhar com os pequenos, especialmente no momento da alfabetização, nesse momento de aulas remotas (e também é possível usar, depois, nas aulas presenciais).  Mas, como vamos partir de gêneros textuais que fazem parte do cotidiano, as propostas podem ser adaptadas para outros anos também, ok! Basta inserir mais alguns desafios, de acordo com a faixa etária e nível em que se encontram – explorar outros elementos.

 

A ideia aqui é partir dos gêneros textuais bilhete e convite, explorando-os no dia a dia e, também, de forma lúdica. Mas você  pode trabalhar outros gêneros textuais (sempre é possível fazer alterações, adequações, complementações, de acordo com nossos objetivos e contexto).

 

Pixabay_girl-774648_640

 

Então, anotem aí algumas possibilidades…

 

**Gênero textual: Bilhete**

  • De acordo com o momento do processo de alfabetização em que seus alunos se encontram, convide-os a escreverem bilhetes, direcionados às pessoas de suas casas, com alguns lembretes importantes para este momento de pandemia. Você pode propor algumas frases e também pode pedir que eles sugiram outras mais (Não saia de casa sem a máscara! / Lave bem as mãos sempre! / Já lavou as mãos hoje? / Só saia se for realmente necessário! / Use álcool em gel! / Gosto muito de você, por isso se cuide! / Vamos cuidar uns dos outros – não traga o vírus para nossa casa! / Proibida a entrada de coronavírus nesta casa! etc.). Dependendo do momento em que estão, você pode mandar um áudio com algumas frases para que eles ouçam e as escrevam (depois você pode enviar uma foto das frases para que eles confiram a escrita e, se necessário, façam as correções); mas também é possível mandar já escrito para que eles as reproduzam, prestando atenção no traçado de cada letra (também pode aproveitar o momento para explorar os diferentes tipos de letras aqui).
  • Também é legal envolver a família/responsáveis (se houver possibilidade): pedir que escrevam bilhetes para as crianças e os deixem pela casa, com alguns recados, desafios, atividades. Por exemplo: “Não se esqueça de arrumar sua cama” / “Se você ler um poema para mim, ficarei muito feliz!” / “Já escovou seus dentes?” / “Pode trazer um copo de água para mim, por favor?” / “Você é muito especial e merece um abraço – me procure para receber” etc.
  • Incentivar que as crianças escrevam bilhetes espontâneos, de acordo com as necessidades/momentos/contextos, também ajuda bastante no processo de alfabetização (porque eles sabem o que querem dizer, mas talvez não saibam exatamente como escrever). Neste momento, elas podem pedir auxílio para você ou para os colegas (de acordo com a forma de contato que vocês estão estabelecendo) e também para as pessoas de seu convívio. O dicionário ajuda muito neste momento (se, é claro, os alunos tiverem um em casa à disposição e/ou se tiverem acesso a dicionários on-line).
  • Se houver possibilidade de encontros virtuais com a turma, você pode pedir que cada um escreva um bilhete direcionado para alguém da turma, com algo que queira dizer a esta pessoa neste momento e, na aula virtual, peça que leiam seus bilhetes (prepare-se para se surpreender e também deixe um lenço a postos, em caso de emoções!). Mais uma vez, de acordo com o contexto, este bilhete pode ser enviado realmente (caso alguém saia de casa e tenha possibilidade de entregá-lo ou deixar em algum lugar para que os pais/responsáveis dos outros alunos possam ir buscar – tudo depende da realidade da sua turma e como você vai organizar estas trocas).
  • Se for o caso de uso de ferramentas digitais, pode ser usado o Padlet – mural virtual (www.padlet.com) para esta troca de bilhetes também (assim é legal que todos conseguem ver a participação de todos).
  • E, claro, depois de muitas vivências com o bilhete (lendo, escrevendo, enviando e recebendo), tenha um momento de retomar com as crianças a intencionalidade/função social deste gênero, seu contexto de uso, forma de escrita etc.

 

**Gênero textual: Convite**

  • Comece enviando a seus alunos um convite para que eles participem de um encontro virtual (uma aula on-line, se for possível) ou para que eles pesquisem algo, ou ainda para um momento, em casa, de estudo e diversão. Construa um bilhete, com todos os elementos necessários (destinatário, evento, data/local/hora, remetente), e envie para eles (pode ser via plataforma ON, google classroom, e-mail, whatsapp, por correio ou deixando em algum lugar para ser retirado). A ideia é que eles recebam um convite e possam apreciar sua estrutura, elementos, finalidade etc.
  • Se for possível o encontro virtual (que será realizado, na data/horário/local informados no convite enviado), planeje um momento leve para falar sobre este texto (convite), mas, antes, deixe que eles falem sobre como receberam o convite, se gostaram, se já haviam recebido outros antes etc. Também pergunte se eles têm outros convites em casa e peça que comparem para que observem se há diferenças, quais são e por que elas existem. Também aproveite para apresentar outros modelos de convites (dependendo do contexto também é possível pedir que os próprios alunos pesquisem e apresentem outros modelos aqui).
  • Este momento de discussão sobre o gênero convite também pode ser gravado e enviado via whatsapp, se for o caso, ou disponibilizado dentro da plataforma ON (criando uma atividade e adicionando o vídeo lá).
  • É importante propor um momento de construção de convite – mas precisa ser para algo real, que faça sentido, para que, a partir disso, os alunos possam entender todos os elementos necessários para a construção desse texto. Então, pense (e/ou peça a colaboração da turma para decidirem juntos) em um evento da cidade, da escola, algo da turma para que eles construam um convite. Você também pode criar um evento (on-line) para a turma e pedir que eles convidem os familiares/amigos para participarem (pode ser um momento em que eles vão fazer a apresentação de algum trabalho desenvolvido, fazer a leitura de um poema, conversar sobre os cuidados necessários nesta pandemia, enfim, são muitas possibilidades). E destaque com eles todos os elementos necessários para a construção desse convite e os deixe livres para usar a criatividade (com certeza, mais uma vez, você irá se surpreender!).
  • No caso, de estar no processo de alfabetização ainda bem inicial, as crianças podem receber o modelo do convite para que os reproduzam (praticando o traçado das letras e seus diversos formatos). Também podem contar com a ajuda de alguém em casa (se for possível) para que ajudem na escrita. E também pode ser explorado o convite oral (destacando os elementos que o compõem).
  • E, depois da exploração do convite (praticando, recebendo, enviando), tenha aquele momento para conversar sobre a importância desse texto, sua função social, sua estrutura, sua forma de composição – de acordo com o objetivo/contexto/público-alvo etc.

 

E, então, gostou das dicas? Tem alguma outra proposta para explorar os gêneros bilhete e convite? Compartilhe suas ideias conosco aqui nos comentários – vamos fazer deste espaço um ambiente de troca e aprendizagens! Contamos com vocês!

 

Até breve!

Assessoria de Língua Portuguesa

linguaportuguesa@aprendebrasil.com.br 

 

Deixe o seu comentário!

19/08/2020 - Língua Portuguesa

Verdade ou desafio?

Olá, professores e professoras. Tudo bem com vocês? A dica de hoje é uma atividade que pode ser feita tanto no ensino remoto quanto no presencial. A ideia é fazer um jogo de “verdade ou desafio”, adaptado para o ...

19/08/2020 - Língua Portuguesa

Verdade ou desafio?

Olá, professores e professoras.
Tudo bem com vocês?

A dica de hoje é uma atividade que pode ser feita tanto no ensino remoto quanto no presencial.
A ideia é fazer um jogo de “verdade ou desafio”, adaptado para o ensino de Língua Portuguesa, mas seguindo as mesmas regras dessa tradicional brincadeira. Aqui, pensamos numa atividade de revisão de conteúdos, mas você pode usar da maneira que achar mais interessante.

Como fazer?

O professor escolhe um conteúdo e um gênero textual, por exemplo: colocação pronominal e letra de música.

Se a atividade for realizada no formato on-line, você pode fazer as perguntas por sorteio. É mais interessante realizar essa atividade em grupos, pois os alunos podem trabalhar em equipe.

O professor sorteia o nome ou número do grupo e pergunta: verdade ou desafio?

– Se o grupo escolher verdade, o professor fará uma pergunta sobre o conteúdo estudado e eles precisarão responder com uma justificativa. Para isso, você pode usar trechos de textos e questionar: qual é a justificativa para o uso da próclise nesse trecho? Espera-se que o grupo responda a partir do estudo desse conteúdo: palavra ou expressão de valor negativo, conjunção subordinativa, pronome indefinido, advérbio, pronome relativo etc.

– Se o grupo escolher desafio, você propõe então que eles pesquisem, em letras de músicas, um uso justificado da ocorrência da próclise. Se o grupo acertar, ganha um ponto; se errar, o professor explica o equívoco e pede para que o grupo cante um trecho da música.

Essa é uma proposta de atividade de revisão de conteúdos, mas ela pode ser adaptada e usada em outros momentos, com outras finalidades e outros gêneros textuais.

Outra opção é pedir que eles pesquisem as ocorrências em textos informais, pois certamente encontrarão exemplos de usos que não estarão de acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa. Essa é uma excelente oportunidade para discutir a regra e também para falar sobre as diferenças entre a língua falada e a escrita (formal e informal).

É também uma forma diferente de regatar o estudo dos conteúdos mais complexos, fazendo com que a atividade seja mais dinâmica e divertida. Além disso, ao propor a prática de pesquisa sobre as regras gramaticais, você envolve a participação ativa dos alunos numa atividade mais reflexiva sobre as ocorrências linguísticas.

Essa foi a dica de hoje.
Você já realizou uma atividade como essa? Como foi?
Comente aqui.

Até breve!

Assessoria da Língua Portuguesa
linguaportuguesa@aprendebrasil.com.br

Deixe o seu comentário!

07/08/2020 - Língua Portuguesa

Fala X escrita

Olá, professores (as). Tudo bem com vocês? Analisar a relação entre a fala e a escrita é uma prática essencial para ampliar a compreensão dos alunos sobre os contrastes entre a norma-padrão e as variações lingu...

07/08/2020 - Língua Portuguesa

Fala X escrita

Olá, professores (as).

Tudo bem com vocês?

Analisar a relação entre a fala e a escrita é uma prática essencial para ampliar a compreensão dos alunos sobre os contrastes entre a norma-padrão e as variações linguísticas da Língua Portuguesa.

Hoje vamos dar uma dica para essa atividade:

Grave um arquivo de áudio, passando um recado para a turma. Nesse áudio, sua fala precisa ser bem informal, ou seja, pode conter pausas na fala, repetição de termos, uso de expressões, gírias etc.

Os alunos deverão ouvir esse áudio e transformar essa mensagem em um texto informativo (formal) que deverá ser enviado por e-mail a um dos colegas da turma.

O objetivo é preservar todas as informações do texto oral no processo da escrita do e-mail, levando em consideração: a estrutura desse gênero textual; sinais de pontuação; colocação pronominal; elementos coesivos etc.

Organize o envio dessa atividade: aluno A envia o texto para o aluno B, este para o aluno C, e assim por diante.

A ideia é proporcionar aos alunos a oportunidade de analisar o mesmo texto sob diferentes perspectivas, fazendo-os perceber o modo como essas modalidades se articulam em diferentes gêneros e práticas de linguagem:

– O texto oral (áudio enviado pelo professor);

– O texto formal escrito, adaptado por eles para o gênero textual e-mail;

– O e-mail escrito por outro aluno, contendo outra seleção de palavras, escolhas linguísticas e organização na estrutura textual.

Analisar as semelhanças e as diferenças entre modos de falar e de registrar o escrito, bem como perceber os aspectos sociodiscursivos, composicionais e linguísticos de cada gênero textual, é fundamental para ampliar a percepção sobre os diferentes contextos de uso da língua.

Aproveite essa oportunidade para mostrar aos alunos que a Língua Portuguesa possui muitas variações, mas que cada momento exige um determinado uso e, por esse motivo, precisamos conhecer a função social e a estrutura dos gêneros textuais.

Essa foi a dica de hoje!

Até breve!

Assessoria de Língua Portuguesa

linguapotuguesa@aprendebrasil.com.br

Deixe o seu comentário!

  • Dica muito bem elaborada. Utilizar ferramentas que os alunos gostam exercitando a linguagem formal. Muito significativo!

  • Amei essa dica, e será muito bom trabalhar assim com 4º e 5º anos! será muito produtivo e incentivador para os alunos nessa forma de comunicação!

  • Diante dos desafios na Educação é fundamental que o professor aprimore seus conhecimentos e repense a sua prática pedagógica.

  • Participação na realização de pequenas tarefas do cotidiano que envolvem ações de cooperação, solidariedade e ajuda na relação com os outros.

21/07/2020 - Língua Portuguesa

Paronímias

Olá, professores (as). Como vocês estão? Hoje vamos propor uma prática para trabalhar com as paronímias, que são as campeãs nos deslizes da nossa língua. A ideia não é apresentar uma lista pronta aos alunos, fa...

21/07/2020 - Língua Portuguesa

Paronímias

Olá, professores (as).

Como vocês estão?

Hoje vamos propor uma prática para trabalhar com as paronímias, que são as campeãs nos deslizes da nossa língua.

A ideia não é apresentar uma lista pronta aos alunos, fazendo uma comparação entre as palavras. Uma análise como essa pode até trazer uma visão geral do contraste entre as formas semelhantes da pronúncia e da diferença na escrita, mas para que os alunos consigam perceber essas implicações, no uso real da língua, é fundamental propor práticas reflexivas.

Um jeito interessante de trabalhar esse aspecto é localizar essas palavras em textos autênticos, ou seja, em textos reais que circulam pela internet.

Escolha alguns gêneros textuais para serem ampliados nessa prática: ingresso, propaganda, edital etc.

Comece ampliando o estudo desse gênero e do seu local de circulação:

– Ingresso: como podemos adquirir ingressos pela internet? Quais são os sites que fornecem esse serviço? Quais são os cuidados que precisamos ter ao realizar uma compra on-line?

Chame atenção para os detalhes: quais são os aspectos que precisamos levar em consideração ao realizar a compra de um ingresso? O dia, o preço e a sessão marcada para o evento.
Acesse um site de vendas de ingressos para teatros, shows etc. e localize essas informações para os alunos. Questione: qual é a seção indicada para realizar a compra?

Depois de discutir o gênero, você ainda pode ampliar o tema inserindo algum assunto relacionado ao evento específico. Em seguida, chame a atenção para o uso das paronímias “seção e sessão”. Fale sobre a semelhança na pronúncia e a diferença na escrita, mas reforce a atenção para os diferentes contextos em que elas apareceram nessa atividade do ingresso:

Sessão: período do evento;

Seção: local de compra do ingresso.

Você também pode fazer essa atividade com outros gêneros textuais, relacionando-os aos usos das paronímias, exemplo:

– Edital: retificar x ratificar;

– Propaganda: conserto x concerto;

– Reportagem: tráfico x tráfego.

Use sua criatividade para construir essa relação. Lembre-se de chamar atenção dos alunos para o uso das paronímias sempre que você localizar uma em um texto. A grande contribuição dos gêneros textuais para o ensino de Língua Portuguesa é a possibilidade de refletir sobre o funcionamento da língua a partir de contextos reais e significativos para os alunos.

Gostou dessa dica?
Já realizou alguma atividade como essa?

Deixe seu comentário aqui.

Até breve!

Assessoria de Língua Portuguesa

linguaportuguesa@aprendebrasil.com.br

Deixe o seu comentário!

  • Sim. Mas tenho observado que meus alunos tem bastante dificuldade em perceber a diferença na escrita e que o significado das palavra e outro.Isso acontece porque meus alunos pertencem a uma classe social bastante inferior, onde os proprios pais tem muita dificuldade em escrever e falar corretamente a língua portuguesa. Percebo que qdo os erros ortográficos são corrigidos presencialmente dando oportunidade dos alunos perceberem e discutirem em sala de aula, a chance de os alunos voltarem a cometê-los diminuem consideravelmente. A paronimia é responsável por diversos deslizes que podem inclusive alterar o significado de uma frase ou até mesmo um texto. As palavras parônimas são responsáveis por muitos erros gramaticais. Por isso deve ser sempre trabalhada principalmente quando surgir palavras que possam trazer dúvidas na hora da escrita. Ex. cesta ou sexta-feira; concerto e conserto: Ex: Irei para o concerto hoje. Faço conserto em relógios: Gosto de trabalhar com listas de palavras: descrição e discrição; despercebido e desapercebido; matilha e mantilha .cumprimento e comprimento, etc. Fazer uma lista de palavras e em seguida pesquisar no dicionário o significado. Desta forma eles irão perceber a diferença na escrita e o significado de cada palavras.

  • Apliquei esse conceito no 9º ano, pois além de fazer parte do conteúdo, os alunos estão mais preparados para desenvolver a prática.