Últimas Publicações:

30/04/2020 - Educação Infantil

Temos um presente pa...

PlayKids e Aprende Brasil trazem surpresas para as crianças! Vejam só quantas novidades: Aproveite o feriado e fim de semana com muito aprendizado e diversão! *** Exclusivo para os clientes do Aprende Brasil. Acesse:...

30/04/2020 - Educação Infantil

Temos um presente para você!

PlayKids e Aprende Brasil trazem surpresas para as crianças!

Vejam só quantas novidades:

Aproveite o feriado e fim de semana com muito aprendizado e diversão!

*** Exclusivo para os clientes do Aprende Brasil.

Acesse: https://playkids.com/resgate/aprende-brasil

#AprendeEmCasaBrasil

 

Depois, se puder, dá uma passadinha aqui e vem nos contar se as crianças gostaram!

Grande abraço e até o próximo post!

Equipe Aprende Brasil

 

Sempre que desejar entre em contato conosco:

edinfantil@aprendebrasil.com.br

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

  • Ler para as crianças é muito bom, de alguma forma incentivar meus alunos a fazer da leitura uma hábito é maravilhoso!

    • Olá Professora Elurdi!
      Que bom que gostou! E fique atenta que logo teremos novas postagens para desenvolver com os seus alunos.
      Abraços, Luciane.

30/04/2020 - Educação Infantil

Baú de ideias

Flávia Scherner, a Fafá, do canal do YouTube “Fafá conta histórias”, é atriz e contadora de histórias infantis. Desde 2015, quando criou o canal, vem divertindo seu público, principalmente as crianças, com hi...

30/04/2020 - Educação Infantil

Baú de ideias

Flávia Scherner, a Fafá, do canal do YouTube “Fafá conta histórias”, é atriz e contadora de histórias infantis. Desde 2015, quando criou o canal, vem divertindo seu público, principalmente as crianças, com histórias das mais variadas! Os adultos também são bem-vindos a esses momentos gostosos com as crianças!

 

Neste período de isolamento social, Fafá está contando histórias sempre às segundas, quartas e sextas-feiras, às 10h30min, em suas redes sociais.

Abaixo, convite da contadora em sua página do Facebook, postado em 14/abril/2020:

youtube.com/fafaconta

facebook.com/fafaconta

Instagram: @fafaconta

 

Aproveitem!

Nós adoramos histórias! E vocês? Contem para a gente aqui, nos comentários!

Vamos gostar de saber!

 

Grande abraço e até o próximo post!

Equipe Assessoria Educação Infantil

 

Sempre que desejar entre em contato conosco:

edinfantil@aprendebrasil.com.br

Siga nossas redes sociais: @aprendebrasil

Deixe o seu comentário!

30/04/2020 - Língua Portuguesa

Cultura e linguagem:...

Olá, professores e professoras. Tudo bem com vocês? Nós estamos bem e muito animados, pois, cada vez mais, temos visitantes de todas as regiões do Brasil aqui em nosso blog. O mapa do Brasil pode ser um importante al...

30/04/2020 - Língua Portuguesa

Cultura e linguagem: mapa do Brasil

Olá, professores e professoras.

Tudo bem com vocês?

Nós estamos bem e muito animados, pois, cada vez mais, temos visitantes de todas as regiões do Brasil aqui em nosso blog.

O mapa do Brasil pode ser um importante aliado nas aulas de Língua Portuguesa…


https://pixabay.com/pt/photos/globo-terra-am%C3%A9rica-do-sul-oceano-609225/

Geralmente ele costuma aparecer nas práticas relacionadas ao estudo da construção composicional de gêneros de divulgação de conhecimentos: artigos, pesquisas, reportagens, notícias etc.

No entanto, é possível utilizá-lo como suporte para um trabalho associado a outras práticas e outros gêneros textuais:

– Gênero textual guia: que tal pensar em uma atividade para trabalhar a relação indissociável entre os conceitos de cultura e linguagem? O guia de viagens ou o guia de turismo pode ser um gênero textual interessante e divertido para discutir com seus alunos a diversidade cultural do Brasil.

– Variação linguística: Que tal usar o mapa do Brasil para ilustrar também as diferentes formas de falar a nossa língua? Visualizar a amplitude do nosso território nacional pode ser fundamental para auxiliar na compreensão da língua em sua extrema heterogeneidade linguística e cultural.

– Adjetivos: podemos também incluir o mapa do Brasil no estudo dos adjetivos pátrios dos estados brasileiros e de suas capitais. Essa atividade pode ser pensada a partir de uma prática lúdica, de um jogo divertido ou, ainda, em diálogo com outro gênero textual.

– Literatura: podemos explorar o mapa do Brasil para contextualizar a diversidade e a riqueza da nossa literatura. Que tal? Cada região revela características de suas obras e de seus autores!

– Podemos pensar também em uma proposta interdisciplinar? Certamente! Só precisamos planejar bem as nossas práticas.

 

Essas são algumas ideias que também servem para que vocês possam pensar em algumas propostas de trabalho para ampliar os diálogos entre objetos de conhecimento, gêneros textuais e campos de atuação.
Os textos são importantes referências para o estudo da Língua Portuguesa e nos permitem sempre criar e dar sentidos significativos às nossas práticas.

Você já usou o mapa em sala de aula para trabalhar algum assunto diferente?
Compartilhe com a gente!

Nós também queremos saber:
De onde você nos acompanha? Qual é a sua região?
Comente aqui.

Até breve!

Equipe de Assessoria de Língua Portuguesa

linguaportuguesa@aprendebrasil.com.br

Deixe o seu comentário!

  • [* O plugin Shield marcou este comentário como “Trash”. Motivo: Teste Bot Falhado (caixa de seleção) *]
    gostei da sugestão trabalhar com mapas já faço isso dependendo da série trabalhando vegetação,criação de gado,tipos de clima,lugares onde faz mais frio,calor, relevo, tipos de plantações de cada região tem muita diversidades para trabalho com mapas e trabalhamos o português a história e a geografia e também a ciências.

30/04/2020 - Ensino Religioso, História

Estamos interconecta...

Olá, Educadores!   Estamos na segunda etapa da nossa série de vídeos Conectados e Globalizados. Vamos lembrar que anteriormente discutimos o conceito de globalização e conexão, seguimos para compreensão de cu...

30/04/2020 - Ensino Religioso, História

Estamos interconectados?

Olá, Educadores!

 

Estamos na segunda etapa da nossa série de vídeos Conectados e Globalizados.

Vamos lembrar que anteriormente discutimos o conceito de globalização e conexão, seguimos para compreensão de cultura digital e novos nômades, como afirma Lévy:

“o espaço do novo nomadismo não é o território geográfico, nem o das instituições ou o dos Estados, mas um espaço invisível de conhecimento, saberes, potências de pensamento em que brotam e se transformam qualidades de ser, maneiras de constituir sociedade (LÉVY, 2015, p. 15)”.

Para Lévy, este espaço é o ciberespaço. A partir desta discussão concordamos com Friedman (2017), ao apresentar que “globalização, para mim, sempre significou a capacidade de qualquer indivíduo ou companhia de competir, conectar, trocar ou colaborar globalmente. E, por essa definição, a globalização está agora explodindo”.

Pode-se usar essa compreensão de explosão, para entender o surgimento de medos e inseguranças diante deste mundo, como apresenta o sociólogo Manuel Castells quando diz que no contexto da cultura digital as relações socais não deixam de existir, mas se ressignificam, muitas vezes podendo ser fragilizadas.

Por isso, destacamos a ideia de se repensar laços sociais e, pensando a educação a relação com o saber. Por isso, hoje se fala cada vez mais do desenvolvimento de competências, segundo Lévy “pelas competências e conhecimentos que envolve, um percurso de vida pode alimentar um circuito de troca, alimentar uma sociabilidade do saber”, nesta troca entende-se que “poderei associar minhas competências às suas, de tal modo que atuemos melhor juntos do que separados” (LÉVY, 2015, 27-28).

Portanto, é na relação com o outro que aprendizagem acontece, “se os outros são fonte de conhecimento, a recíproca é imediata. Também eu, qualquer que seja minha provisória posição social, qualquer que seja a sentença que a instituição escolar tenha pronunciado a meu respeito, também sou para os outros uma oportunidade de aprendizado” (LÉVY, 2015, 28).

Para o filósofo Pierre Lévy, “na era do conhecimento, deixar de reconhecer o outro em sua inteligência é recusar-lhe sua verdadeira identidade social, é alimentar seu ressentimento e sua hostilidade, sua humilhação, a frustação de onde surge a violência. Em contrapartida, quando valorizamos o outro de acordo com o leque variado de seus saberes, permitimos que se identifique de um modo novo e positivo, contribuindo para mobilizá-lo” (LÉVY, 2015, 30).

 

Campo de Experiência: O eu, o outro e o nós apresentado pela BNCC (2018)

 

Tais compreensões apresentadas por Lévy estão em acordo com diferentes correntes pedagógicas que emergiram nas últimas décadas evidenciando que o professor é responsável pela organização da aprendizagem, mas não o “detentor do saber”. Há muito tempo já se deixou de crer na visão da criança como “tábula rasa”.

É nesse sentido que as relações humanas ainda ganham força no desenvolvimento de qualquer ser humano, segundo Pérez Gómez (2015, p. 85) “nós, os humanos, dependemos desde sempre dos laços sociais que estabelecemos com as demais pessoas. Na época atual, caracterizada pela globalização e interdependência, os poderosíssimos movimentos migratórios e a constituição multicultural das sociedades, cresce a diversidade social e individual, e é necessário o desenvolvimento individual e grupal de competências que envolvam saber e querer conviver e funcionar em diferentes grupos humanos com maior ou menor grau de heterogeneidade”.

 

Portanto, “eu sou porque todos nós somos”.

 

Para assistir ao vídeo Relações humanas conectadas e globalizadasclique aqui.

 

Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

 

Acompanhe a continuidade dos vídeos e postagens da série Conectados e Globalizados, muitos dos assuntos abordados até aqui, ainda serão debatidos.

 

Até lá…

 

Equipe Assessoria de História

 

Referências:
FRIEDMAN, Thomas L. Obrigado pelo atraso: Um guia otimista para sobreviver em um mundo cada vez mais veloz. Rio de Janeiro: Objetiva, 2017.
LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Edições Loyola, 2015.
PÉREZ GÓMEZ, Ángel. Educação na era digital: a escola educativa. Porto Alegra: Penso, 2015.

Deixe o seu comentário!

29/04/2020 - Ensino Religioso

Mito de Procusto e o...

Professoras e Professores   A mitologia grega ainda é utilizada nos dias atuais para estimular a reflexão sobre os mais variados comportamentos humanos. Pensando nos conceitos de tolerância, dignidade, diversidad...

29/04/2020 - Ensino Religioso

Mito de Procusto e o descaso pela vida

Professoras e Professores

 

A mitologia grega ainda é utilizada nos dias atuais para estimular a reflexão sobre os mais variados comportamentos humanos.

Pensando nos conceitos de tolerância, dignidade, diversidade, tão abordados no Ensino Religioso trouxemos o mito de Procusto.

Procusto ou Procrustes é um personagem da mitologia grega, que simboliza a negação da ciência e a relativização de vidas humanas. Ele vivia na serra de Elêusis, que em sua casa tinha uma cama de ferro, com o seu exato tamanho, para onde convidava os viajantes a se deitarem.

A metáfora de Procusto representa o puro egoísmo do ser humano em relação ao seu próximo, que são aqueles que não prosperam nem deixam os outros prosperarem.

Veja a reflexão sobre este mito proposta pelo Padre Geraldo Gabriel, no vídeo: Mitologia Grega – Procusto: estranha maneira de fazer justiçaclicando aqui.

Este mito e reflexões motivadas por ele podem ser abordados em sala de aula, possibilitando o desenvolvimento de diversas habilidades, dentre elas:

 

5o. ano

Unidade temática: Crenças religiosas e filosofias de vida

Objeto do Conhecimento: Mitos nas tradições religiosas

Habilidade: (EF05ER03) Reconhecer funções e mensagens religiosas contidas nos mitos de criação (concepções de mundo, natureza, ser humano, divindades, vida e morte).

 

7o. ano

Unidade temática: Crenças religiosas e filosofias de vida

Objeto do Conhecimento: Liderança e direitos humanos

Habilidade:

(EF07ER08) Reconhecer o direito à liberdade de consciência, crença ou convicção, questionando concepções e práticas sociais que a violam.

 

9o. ano

Unidade temática: Crenças religiosas e filosofias de vida

Objeto do Conhecimento: Princípios e valores éticos

Habilidade:

(EF09ER06) Reconhecer a coexistência como uma atitude ética de respeito à vida e à dignidade humana.
(EF09ER07) Identifcar princípios éticos (familiares, religiosos e culturais) que possam alicerçar a construção de projetos de vida.
(EF09ER08) Construir projetos de vida assentados em princípios e valores éticos.

 

O que achou da proposta? Compartilhe conosco nos comentários.

 

Equipe Assessoria de Ensino Religioso

 

Sempre que precisar entre em contato conosco: historia@aprendebrasil.com.br
Siga nossas redes sociais: Instagram: @aprendebrasil / Youtube: Sistema Aprende Brasil

 

Referências:
BUONOCORE, Jackson César. Síndrome de Procusto: a negação da ciência e a relativização de vidas humanas. CONTI Outra.  Disponível em: <https://www.contioutra.com/sindrome-de-procusto-a-negacao-da-ciencia-e-a-relativizacao-de-vidas-humanas/>.

Deixe o seu comentário!

28/04/2020 - Língua Inglesa

Tinha uma pedra no m...

Olá, professores! What’s up? O que falar aos alunos quando encontram palavras muito difíceis durante a leitura em língua inglesa? Palavras desconhecidas, que não fazem parte do vocabulário mais comum de sala de au...

28/04/2020 - Língua Inglesa

Tinha uma pedra no meio do caminho

Olá, professores!

What’s up?

O que falar aos alunos quando encontram palavras muito difíceis durante a leitura em língua inglesa? Palavras desconhecidas, que não fazem parte do vocabulário mais comum de sala de aula, podem dificultar a leitura e fazer com que as crianças desistam no meio do caminho.

O que falar aos alunos para incentivar a continuar sem desistir?

As imagens a seguir estão relacionadas a algumas expressões em inglês que podem ajudar a não desistir da leitura no meio do caminho.

Lembrar dessas expressões pode ser uma boa dica para enfrentar essa dificuldade:

EAGLE EYE

Tenha olhos de águia! Observe tudo com olhar atento! Olhe para as imagens e para o título. Tente entender a ideia principal do texto.

SKIPPING FROG

Pule as palavras difíceis demais! Muitas vezes você irá conseguir compreender o sentido principal do texto, ainda que não seja capaz de traduzir uma ou duas palavras.

ANTS IN YOUR PANTS

Não se apresse como se tivesse formigas em suas calças! Se você for muito rápido e se preocupar em terminar o texto de uma vez, o entendimento do texto pode ser equivocado. Keep calm! Respire profundamente e comece novamente.

WOLF IN SHEEPSKIN

Tentar deduzir e se apoiar em palavras parecidas com o português é uma ótima estratégia para leitura. Às vezes, no entanto, essa estratégia pode te colocar em uma enrascada. Cuidado com os falsos amigos, aquilo que parece mas não é! Algumas palavras parecem que tem uma tradução, mas na verdade significam algo totalmente diferente. A seguir, veja uma lista de palavras em pele de cordeiro, aquelas que podemos dizer: “parece, mas não é!”

parents (pais)

costume (fantasia)

lunch (almoço)

pasta (massa)

push (empurrar)

pretend (fingir)

Diga aos alunos que procurem não se preocupar muito com a tradução de todas as palavras do texto. Deixar fluir a leitura, mesmo com palavras muito difíceis no meio do caminho, ajuda a não criar nenhum trauma e querer desistir de tudo. Mostre a eles que com algumas estratégias enfrentamos esse desafio!

Just don’t worry! Relax and go with the flow!

Take care!

Cassiana

Assessora de Língua Inglesa

 

 

Deixe o seu comentário!